ENCONTROS ETNOGRÁFICOS COM NEUSA CAVEDON

  • Maria Tereza Flores Pereira Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Palavras-chave: Antropologia, Etnografia, Neusa Cavedon, Administração

Resumo

Meu objetivo neste texto é discorrer acerca dos encontros de Neusa Cavedon com a Antropologia e a Etnografia, assim como o meu próprio encontro com Neusa e esses campos. Uso a palavra encontro, pois discorro mais sobre as relações constituídas do que sobre as protagonistas. Para a descrição desses encontros utilizo de modo mais volumoso as minhas próprias memórias, visto que sou simultaneamente autora e personagem deste texto. No decorrer da narrativa dos meus encontros – com o diário de campo, com a ideia-valor da relativização, com o campo etnográfico – viso também contribuir com a reflexão sobre o fazer etnográfico e seu processo de aprendizagem. Analiso, por fim, que esses encontros geraram um aprofundamento do saber Antropológico e um treino volumoso do fazer etnográfico, constituindo um relevante acúmulo de aprendizagens e saberes para o campo da Administração.

Biografia do Autor

Maria Tereza Flores Pereira, Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Doutora, mestre e bacharel em Administração pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) 

Referências

Abu-Lughod, Lila (2018). A escrita contra a cultura. Equatorial, 5(8), 193-226.

Cavedon, Neusa R. (2000). “Administração de toga”: desvendando a cultura organizacional da UFRGS e da UNISINOS. Tese de doutorado, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, Brasil.

Cavedon, Neusa R. (1992). Navegantes da Esperança: análise de um ritual religioso-urbano em Porto Alegre. Dissertação de mestrado, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, Brasil.

Cavedon, Neusa R. (1988) As manifestações rituais nas organizações e a legitimação dos procedimentos administrativos. Dissertação de mestrado, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, Brasil.

Clifford, James (2002). A experiência etnográfica: antropologia e literatura no século XX. Rio de Janeiro: UFRJ.

Da Matta, Roberto (1978). O ofício de etnólogo, ou como ter “Anthropological Blues”. In Edson O. Nunes (Org.). A aventura sociológica (pp. 23-35). Rio de Janeiro: Zahar.

Flores-Pereira, Maria Tereza (2010). Corpo, pessoa e organizações. Organizações & Sociedade, 17(54), 417-438.

Flores-Pereira, Maria Tereza & Cavedon, Neusa R. (2009) Os bastidores de um estudo etnográfico: trilhando os caminhos teórico-empíricos para desvendar as culturas organizacionais de uma livraria de shopping center. Cadernos EBAPE. BR, 7(1), art. 10.

Flores-Pereira, Maria Tereza, Cavedon, Neusa R., & Mazzilli, Cláudio P (2005). O desafio de vencer a morte: as representações sociais dos médicos hematologistas e oncologistas. In Neusa Cavedon (Org.). Representações sociais na área de gestão em saúde. Teoria e prática (pp. 97-108). Porto Alegre: Dacasa.

Goldman, Marcio (2006). Alteridade e experiência: Antropologia e teoria etnográfica. Etnográfica, X(1), 161-173.

Ingold, Tim (2017). Antropologia versus etnografia. Cadernos de Campo, 26(1), 222-228.

Lock, Margaret M. (1996). Death in technological time: locating the end of meaninful life. Medical Anthropology Quarterly, 10(4), 575-600.

Oliveira, Roberto C. (2006) O trabalho do antropólogo (2a ed.). São Paulo: UNESP.

Rocha, Ana Luiza C. & Eckert, Cornélia (2008). Etnografia: saberes e práticas. Iluminuras, 9(21), s.p.

Teixeira, Sérgio A. (1997). Depoimento sobre minha vivência na Antropologia da UFRGS. Horizontes Antropológicos, 3(7), 276-314.

Weber, Florence (2009). Trabalho fora do trabalho. Uma etnografia das percepções. Rio de Janeiro: Garamond.

Publicado
2020-03-20
Seção
Homenagem a Neusa Rolita Cavedon