“UMA CÂMERA NA MÃO E UMA IDEIA NA CABEÇA”: O CINEMA E SUAS POSSIBILIDADES NA FORMAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO

  • Andrea Oltramari Universidade Federal do Rio Grande do Sul
  • Fernanda Tarabal Lopes
  • Eduardo Wannmacher
Palavras-chave: Cinema, Administração. Formação.

Resumo

O presente artigo tem como objetivo discutir sobre o cinema e suas possibilidades de formação em Administração. Para tanto, apresentamos alguns trabalhos já realizados nessa vertente na área e expomos sobre as possibilidades do cinema em uma via crítica e reflexiva de educação. Ainda nesse texto, compartilhamos sobre nossa experiência a partir de um projeto de extensão sobre cinema e seus desdobramentos no ensino e na pesquisa. Intentamos, com a apresentação de nossa proposta e das reflexões que aqui tecemos, que seja fomentada a discussão sobre cinema na Administração, bem como nossa expectativa de novos caminhos de processos formativos.

Biografia do Autor

Andrea Oltramari, Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Professora e Pesquisadora Programa de Pós-Graduação em Administração da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, área de concentração, Gestao de Pessoas e relações de trabalho.

Referências

Ballerini, F. (2012). Cinema brasileiro no século 21. São Paulo: Summus.

Bizarria, F. P. A., Tassigny, M. M., Almeida, R. R. F., & Brasil, M. V. O. (2014). Análise da atividade de consultoria com suporte na observação fílmica: o caso do filme Missão Demissão. Teoria e Prática em Administração, 4(2), 49-69.

Brasil. (1999). Resolução CEB N.º 4, de Dezembro de 1999. Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Profissional de Nível Técnico. Brasília: MEC.

Castelo Branco, M. T. (1999). Que profissionais queremos formar? Psicologia: Ciência e Profissão, 19(3), 28-35.

Champoux, J. E. (1999). Film as a teaching resource. Journal of Management Inquiry, 8(2), 206-219.

Estanislau, C., Castro, D., Vieira, A. M., & Resch, S. (2012). O mundo do trabalho visto no cinema: busca por significados no documentário peões. Revista Pensamento Contemporâneo em Administração, 6(2), 33-49.

Fabris, E. T. H. (2005). O cinema brasileiro produzindo sentidos sobre a escola e o trabalho docente. Tese de doutorado, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS, Brasil.

Freitas, A. D. G. & Leite, N. R. P. (2015). Linguagem fílmica: uma metáfora de comunicação para a análise dos discursos nas organizações. Revista de Administração, 50(1), 89-104.

Gubernikoff, G. (2009). A ımagem: representação da mulher no cınema. Conexão – Comunicação e Cultura, 8(15), 65-77.

Hamburger, E. (2007). Violência e pobreza no cinema brasileiro recente: reflexões sobre a idéia de espetáculo. Novos Estudos CEBRAP, 78, 113-128.

Huczynski, A. & Buchanan, D. (204). Theory from fiction: a narrative process perspective on the pedagogical use of feature film. Journal of Management Education, 28(6), 707-726.

Lahni, C., Alvarenga, N., Pelegrini, M., & Pereira, M. F. (2015). A mulher negra no cinema brasileiro: uma análise de Filhas do Vento. Recuperado em 4 setembro, 2017, de: https://www.geledes.org.br/a-mulher-negra-no-cinema-brasileiro-uma-analise-de-filhas-do-vento/.

Larroca, P. (2000). O saber psicológico e a docência: reflexões sobre o ensino de Psicologia na educação. Psicologia: Ciência e Profissão, 20(2), 60-65.

Lipman, M. (1995). O pensar na educação. Petrópolis: Vozes.

Machado, D. Q., Ipiranga, A. S. R., & Matos, F. R. N. (2013). "Quero matar meu chefe: retaliação e ações de assédio moral". Pretexto, 14(1), 52-70.

MANUAL de operações básicas. Brasília: Ministério da Educação, 2006. Recuperado em 20 outubro, 2014, de: http://www.prograd.ufba.br/Arquivos/manualpet.pdf.

Mendonça, F. M. & Fonsêca, M. A. (2016). A manifestação do pós-modernismo nas personagens de “Boi Neon”. Anais do Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação, São Paulo, SP, Brasil, XXXIX.

Mendonça, J. R. & Guimarães, F. P. (2008). Do quadro aos "quadros": o uso de filmes como recurso didático no ensino de administração. Cadernos EBAPE.BR, 6(n. spe.), 1-21.

Mendonça, M. L. & Dala Senta, C. R. (2012). Envelhecer feminino no cinema brasileiro contemporâneo: outras narrativas, novos olhares. Palavra Clave, 15(3), 571-593.

Moreira, T. A. (2015). Representações sobre a mulher no cinema brasileiro contemporâneo. GeoGraphos, 6(80), 180-201.

Scherdien, C., Bortolini, A. C., & Oltramari, A. P. (2018). Relações de trabalho e cinema: uma análise do filme “que horas ela volta?”. Farol – Revista de Estudos Organizacionais e Sociedade, 5(12), 130-197.

Paiva Jr., F. G., Almeida, S. L., & Guerra, J. R. F. (2008). O empreendedor humanizado como uma alternativa ao empresário bem-sucedido: um novo conceito em empreendedorismo, inspirado no filme Beleza Americana. Revista de Administração Mackenzie, 9(8), 112-134.

Paniza, M. D. R. & Mello Neto, G. A. R. (2015). O diabo veste prada – e é minha chefe: resenha fílmica sobre sofrimento no trabalho. Farol – Revista de Estudos Organizacionais e Sociedade, 2(5), 1178-1205.

Penafria, M. (2009). Análise de filmes: conceitos e metodologia(s). Anais do Congresso da Associação Portuguesa de Ciências da Comunicação, Lisboa, Portugal, VI.

Pires, M. C. & Silva, S. L. P. (2014). O cinema, a educação e a construção de um imaginário social contemporâneo. Educação & Sociedade, 35(127), 607-616.

Roza, F. O. (2015). A vergonha e a juventude: sexualidade e pós-modernidade no cinema contemporâneo. Trabalho de conclusão de curso de graduação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS, Brasil.

Silva, R. K. (2015). O som ao redor do baile: retomada e pós-retomada no cinema produzido em Pernambuco. Dissertação de mestrado, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, PE, Brasil.

Sousa, F. I. (2005). Imagens e representações da prostituta no cinema. Revista Ciências Administrativas, 11(n. spe.), 85-90.

Schön, D. A. (2000). Educando o profissional reflexivo: um novo design para o ensino e a aprendizagem. Porto Alegre: Artes Médicas Sul.

Tavares, C. J. (2016). A cidade construída no cinema: Uma análise do filme “O Som Ao Redor” de Kleber Mendonça Filho. Trabalho de conclusão de curso de graduação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS, Brasil.

Turner, G. (1997). Cinema como prática social. São Paulo: Summus.

Vanoye, F. & Golliot-Lété, A. (2004). Ensaio sobre a análise fílmica. Campinas, Papirus.

Xavier, I. (2006). Corrosão social, pragmatismo e ressentimento: Vozes dissonantes no cinema brasileiro de resultados. Novos Estudos CEBRAP, 75, 139-155.
Publicado
2019-02-09
Seção
Dossiê "Cinema: Trabalho, Organizações e Sociedade"