EM BUSCA DE UM FUTURO MELHOR: ESTRATÉGIAS DE ENFRENTAMENTO E REGULAÇÃO EMOCIONAL NAS VIVÊNCIAS DE MIGRANTES DO ROMANCE “OS CORUMBAS”

Autores

DOI:

https://doi.org/10.25113/farol.v7i19.4544

Palavras-chave:

migração, regulação emocional, Os Corumbas, Trabalho

Resumo

O processo migratório faz parte da história humana em sua dinâmica expansiva e, normalmente, acontece por razões econômicas. Ao retirar-se de um local, o sujeito experimenta a perda de referências, o que pode tornar-se um evento estressor. No processo de adequação e instalação na nova cultura, o indivíduo precisará lançar mão de estratégias de enfrentamento e regulação emocional. O objetivo deste trabalho foi, a partir da análise da obra literária Os Corumbas, demonstrar as estratégias de regulação emocional utilizadas pela família Corumba mediante os eventos estressores provenientes da migração e adaptação à nova vida na cidade grande. Os resultados encontrados indicam que o processo de adaptação à vida urbana funcionou como um evento estressor e as estratégias de regulação emocional mais utilizadas foram Supressão e Ruminação. O exercício de análise apresentado pode colaborar na representação didática e compreensão do conceito regulação emocional, largamente utilizado na prática profissional do psicólogo.

Biografia do Autor

Marley Rosana Melo de Araújo, Universidade Federal de Sergipe

Professora Adjunta da Universidade Federal de Sergipe.

Ariana Moura de Jesus, Universidade Federal de Sergipe

Mestra em Psicologia da Universidade Federal de Sergipe.

Referências

Aldao, Amelia. (2013). The future of emotion regulation research: capturing context. Perspectives on Psychological Science, 8(2), 155-172.

Anderson, Carl R. (1977). Locus of control, coping behaviors, and performance in a stress setting: a longitudinal study. Journal of Aplied Psychology, 62(4), 446-451.

Antoniazzi, Adriane S., Dell’Aglio, Débora D., & Bandeira, Denise R. (1998). O conceito de coping: uma revisão teórica. Estudos de Psicologia, 3(2), 273-294.

Augustine, Adam A, & Hemenover, Scott H. (2009). On the relative effectiveness of affect regulation strategies: a meta-analysis. Cognition & Emotion, 23(6), 1181-1220.

Bardin, Laurence. (1977). Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70.

Bendassolli, Pedro F. & Gondim, Sônia M. G. (2013). Significados, sentidos e função psicológica do trabalho: discutindo essa tríade conceitual e seus desafios metodológicos. Avances en Psicología Latinoamericana, 32(1), 131-147.

Boeira, Sérgio L. & Vieira, Paulo F. (2010). Estudos organizacionais: dilemas paradigmáticos e abertura interdisciplinar. In Christiane K. Godoi, Rodrigo Bandeira-de-Mello, & Anielson B. Silva (Orgs.). Pesquisa qualitativa em estudos organizacionais: paradigmas, estratégias e métodos (2a ed.) (pp. 17-51). São Paulo: Saraiva.

Bonfim, Mirele C., & Gondim, Sônia M. G. (2010). Trabalho emocional: demandas afetivas no exercício profissional. Salvador: UFBA.

Borges, Hélia, & Martins, André. (2004). Migração e sofrimento psíquico do trabalhador da construção civil: uma leitura psicanalítica. PHYSIS: Rev. Saúde Coletiva, 14(1), 129-146.

Borges, Livia O. & Yamamoto, Oswaldo H. (2014). O mundo do trabalho: construção histórica e desafios contemporâneos. In José C. Zanelli, Jairo E. Borges-Andrade, & Antonio V. B. Bastos (Orgs.). Psicologia, organizações e trabalho no Brasil (2a ed.) (pp. 25-72). Porto Alegre: Artmed.

Câmara, Rosana H. (2013). Análise de conteúdo: da teoria à prática em pesquisas sociais

aplicadas às organizações. Gerais: Revista Interinstitucional de Psicologia, 6(2), 179-191.

Carstensen, Laura L., Gottman, John M., & Levenson, Robert W. (1995). Emotional behaviour in long term marriage. Psychology and Aging, 10, 140-149.

Coelho, Glaucimere P., & Trentin, Raquel C. (2014). Nordeste pra frente: retratos do povo na voz de Luiz Gonzaga. Cadernos do Congresso Nacional de Linguística e Filologia, Rio de Janeiro, RJ, Brasil, XVIII.

Conte, Fernanda. (2004). Migrações: o homem em busca do lugar ideal. Revista Faz Ciência, 6(1), 305-317.

Cunha, Aparecido S. (2000). Migração de retorno num contexto de crise, mudanças e novos desafios. Anais do Encontro Nacional de Estudos Populacionais, Caxambu, MG, Brasil, XII.

Diamantino, Rui M., & Gondim, Sônia M. G. (2017). Regulação emocional e trabalho emocional no atendimento aos usuários de unidades do SUS na Bahia. Revista de Psicologia, 8(2), 72-82.

Dustmann, Christian, & Glitz, Albrecht. (2011). Migration and education. In Eric A. Hanushek, Stephen J. Machin, & Ludger Woessmann (Orgs.). Handbook of the economics of education (pp. 327-439). North Holland: Elsevier.

Faro, André & Pereira, Marcos E. (2013). Estresse: revisão narrativa da evolução conceitual, perspectivas teóricas e metodológicas. Psicologia, Saúde & Doenças, 14(1), 78-100.

Figueira, Ângela C. A. (2013). Um diálogo entre Literatura e Psicologia: “O anjo Rafael”. Revista Eletrônica das Faculdades de Santos Dumont, 1, 1-14.

Folkman, Susan. (2011). Stress, health, and coping overview. In Susan Folkman (Org.). The Oxford handbook of stress, health, and coping (pp. 3-11). New York: Oxford University Press.

Fontes, Amando. (1999). Os Corumbas (23a ed.). Rio de Janeiro: José Olympio.

Fragoso, Samarina A. (2009). Gestão estratégica de pessoas como fonte de vantagens

competitivas nas organizações. Revista Brasileira de Estratégia, 2(3), 307-315.

Gancho, Cândida V. (2002). Como analisar narrativas (7a ed). São Paulo: Ática.

Gondim, Sônia M. G. & Borges-Andrade, Jairo E. (2009). Regulação emocional no trabalho: um estudo de caso após desastre aéreo. Psicologia Ciência e Profissão, 29(3), 512-533.

Gondim, Sônia M. G. & Siqueira, Mirlene M. M. (2014). Emoções e afetos no trabalho. In José C. Zanelli, Jairo E. Borges-Andrade, & Antonio V. B. Bastos (Orgs.). Psicologia, organizações e trabalho no Brasil (2a ed.) (pp. 207-235). Porto Alegre: Artmed.

Gross, James J. (2015). Regulation: current status and future prospects. Psychological Inquiry, 26, 1-26.

Gross, James J. (1998). The emerging field of emotion regulation: an integrative review.

Review of General Psychology, 2(3), 271-29.

Gross, James J. & John, Oliver P. (2003). Individual differences in two emotion regulation processes: implications for affect, relationships, and well-being. Journal of Personality and Social Psychology, 85(2), 348-362.

Gross, James J. & Thompson, Ross A. (2007). Emotion regulation: conceptual foundations. In James J. Gross (Ed.). Handbook of emotion regulation (pp. 3-24). New York: Guilford Press.

Ianni, Octavio. (1999). Sociologia e literatura. In José A. Segatto, & Ude Baldan (Orgs.), Sociedade e literatura no Brasil (pp. 9-42). São Paulo: UNESP.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE (2011). Censo demográfico - 2010. Rio de Janeiro: IBGE. Recuperado em 5 agosto, 2020 de https://www.ibge.gov.br/.

Kostiuk, Lynne M., & Fouts, Gregory T. (2002). Understanding of emotions and emotion regulation in adolescent females with conduct problems: a qualitative analysis. The Qualitative Report, 7(1), 1-15.

Lima, Cleverton B. (2010). Imagens do povo: política e literatura na obra de Amando Fontes. Dissertação de mestrado, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, Brasil.

Lima, Renata F. O. (2011). Gestão estratégica de pessoas: uma ferramenta poderosa. Anais do Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia, Resende, RJ, Brasil, VIII.

Martins, Natália S. (2015). Tragédia familiar: uma análise de Os Corumbas, de Amando Fontes. Dissertação de mestrado, Universidade Estadual Paulista “Julio de Mesquita Filho”, Assis, Brasil.

Matsumoto, David, Yoo, Seung H., Nakagawa, Sanae, & Multinational Study of Cultural Display Rules. (2008). Culture, emotion regulation, and adjustment. Journal of Personality and Social Psychology, 94(6), 925–937.

McRae, Kateri, Ochsner, Kevin N., Mauss, Iris B., Gabrieli, John J. D., & Gross, James J. (2008). Gender diferences in emotion regulation: an fMRI study of cognitive reappraisal. Group Processes & Intergroup Relations, 11(2), 143-162.

Melo, Andréa P. S. (2014). Representações de gênero na Aracajú ficcional de Amando Fontes: uma análise da obra Os Corumbas. Dissertação de mestrado, Universidade Federal de Sergipe, Aracaju, Brasil.

Mendes, Rosana M. & Miskulin, Rosana G. S. (2017). A análise de conteúdo como uma

metodologia. Cadernos de Pesquisa, 47(165), 1044-1066.

Menezes, Aldair S. (2013). Os Corumbas e os desvalidos: entre a história e a literatura. Anais do Simpósio Nacional de História - Conhecimento histórico e diálogo social, Natal, RN, Brasil, XXVII.

Miranda, Rosalina A. (2014). Uma análise psicológica de Luís da Silva, personagem principal do romance Angústia. Dissertação de mestrado, Universidade da Amazônia, Belém, Brasil.

Mondardo, Marcos L. (2007). Estudos migratórios na modernidade e na pós-modernidade: do econômico ao cultural? Terra Livre, 2(29), 51-74.

Morais, Franciane A. (2012). Trabalho emocional, autorregulação e bem-estar psicológico em motoristas de transporte público. Dissertação de mestrado, Universidade Federal de Bahia, Salvador, Brasil.

Nascimento, Dayse A. M. (2012). Resistência à mudança organizacional: correlatos valorativos e organizacionais. Tese de doutorado, Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, Brasil.

Nascimento, Adelli C. S., Marques Neto, Raul, & Santana, Gleise C. P. (2011). A precarização das relações de trabalho no município de Itabaiana/SE. Revista Geográfica de América Central, 2(47E), 1-12.

Nelis, Delphine, Quoidbach, Jordi, Hansenne, Michel, & Mikolajczak, Moira (2011). Measuring individual differences in emotion regulation: the emotion regulation profile-revised (ERP-R). Psychologica Belgica, 5(1), 49-91.

Niven, Karen, Sprigg, Christine A., & Armitage, Christopher J. (2012). Does emotion regulation protect employees from the negative effects of workplace aggression? European Journal of Work and Organizational Psychology, 22(1), 88-106.

Ojima, Ricardo, & Nascimento, Tiago C. L. (2015). Nos caminhos para o nordeste: reflexões sobre os impactos diretos e indiretos da migração de retorno no período recente. Redes, 20(3), 48-62.

Pelzer, Peter, & Paes de Paula, Ana P. (2002). Fórum teatro, cinema e organizações. Revista de Administração de Empresas, 42(4), 10.

Pinto, Fabiane L. B., & Domingues, Fabiana F. (2019). Urbe, vida social organizada e literatura:algumas reflexões. Anais do Encontro de Estudos Organizacionais da ANPAD, Fortaleza, CE, Brasil, X.

Pinto, Fabiane L. B., & Ribeiro, Elizabeth M. (2018). História, literatura e estudos organizacionais: novos olhares sobre as obras de Jorge Amado. Farol – Revista de Estudos Organizacionais e Sociedade, 5(12), 198-267.

Queiroz, Silvana N. (2015). Tendências das migrações interestaduais de retorno no Brasil. Ciência e Sustentabilidade, 1(1), 77-95.

Rezende, Maria J. (2001). Os sertões e os des(caminhos) da mudança social no Brasil.

Tempo Social, 13(2), 201-226.

Rios, Mino C. (2015). Contratos psicológicos, centralidade do trabalho, autorregulação e estados emocionais: um estudo com docentes do ensino superior. Tese de doutorado, Universidade Federal da Bahia, Salvador, Brasil.

Rodrigues, Ana P. G. (2012). Os vínculos com a organização e a regulação emocional de servidores públicos. Tese de doutorado, Universidade Federal da Bahia, Salvador, Brasil.

Rodrigues, Ana P. G. & Gondim, Sônia M. G. (2014). Expressão e regulação emocional no contexto de trabalho: um estudo com servidores públicos. Revista de Administração

Mackenzie, 15(2), 38-65.

Rossetti, Milena O., Ehlers, Denise M., Guntert, Ingo B., Leme, Irene F. A. S., Rabelo, Ivan S., Tosi, Silésia M. V. D., Pacanaro, Silvia V., & Barrionuevo, Veridiana L. (2008). O inventário de sintomas de stress para adultos de Lipp (ISSL) em servidores da Polícia Federal de São Paulo. Revista Brasileira de Terapias Cognitivas, 4(2), 108-119.

Sánchez-Núñez, María T., Fernández-Berrocal, Pablo, Montañés, Juan, & Latorre, Jose M. (2008). Does emotional intelligence depend and gender? The socialization of emotional competencies in men and women in its implications. Eletronic Journal of Research in Educational Psychology, 6(2), 455-474.

Santana, Vitor S. (2014). A mediação de autonomia e do domínio do ambiente na relação entre modos de regulação emocional e dimensões de bem-estar subjetivo. Dissertação de mestrado, Universidade Federal da Bahia, Salvador, Brasil.

Santos, Clodoaldo M. (2010). Da literatura e da sociedade na obra Os Corumbas, de Amando Fontes. Dissertação de mestrado, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, Brasil.

Schmidt, Maria L. S. (2013). Produções táticas de usuários e trabalhadoras de programa de saúde mental: estudo etnográfico num centro de saúde escola da zona oeste de São

Paulo. Saúde e Sociedade, 22(4), 1084-1093.

Snyder, Sara A., Heller, Sarah M., Lumian, Daniel S., & McRae, Kateri. (2013) Regulation of positive and negative emotion: effects of sociocultural context. Frontiers in Psychology, 4(259), 1-12.

Soares, Vivian L. L. (2011). O humor resiliente na sociedade contemporânea. Revista Leitura Flutuante, 3, 1-13.

Thompson, Ross A. & Meyer, Sara. (2007). Socialization of emotion regulation in the family. In James J. Gross (Ed.). Handbook of emotion regulation (pp. 249-268). New York: Guilford Press.

Trad, Leny A. B. (2003). Processo migratório e saúde mental: rupturas e continuidade na vida cotidiana. PHYSIS: Revista de Saúde Coletiva, 13(1), 139-156.

Turri, Geovanna S. S., Faro, André, & Araújo, Marley R. M. (2018). Adaptação e adversidade no cotidiano de trabalhadores sertanejos em canções de Luiz Gonzaga. Estudos de Psicologia, 23(1), 22-32.

Urquiza, Marconi A., & Marques, Denilson B. (2016). Análise de conteúdo em termos de Bardin aplicada à comunicação corporativa sob o signo de uma abordagem teórico-empírica. Entretextos, 16(1), 115-144.

Vaz, Filipa J. S. M. (2009). Diferenciação e regulação emocional na idade adulta: tradução e validação de dois instrumentos de avaliação para a população portuguesa. Dissertação de mestrado, Universidade do Minho, Braga, Portugal.

Downloads

Publicado

2020-11-19

Edição

Seção

Artigos