"COPACABANA" E "SE VIVÊSSEMOS TODOS JUNTOS?": UM ENSAIO SOBRE AS CONTRIBUIÇÕES DO CINEMA ACERCA DA VELHICE NA CONTEMPORANEIDADE

  • Raquel Oliveira Barreto Universidade Federal de Minas Gerais Instituto Federal do Norte de Minas Gerais
  • Alexandre de Pádua Carrieri Universidade Federal de Minas Gerais
Palavras-chave: Velhice, Terceira Idade, Cinema, Representações, Estereótipos

Resumo

A velhice é um tema que tem povoado as produções cinematográficas, contribuindo para a disseminação de determinadas representações sociais, legitimando comportamentos e modos de vida. Mas qual é realmente o lugar do velho na sociedade contemporânea? A criação recente de categorias como a Terceira Idade revelam um discurso positivo sobre a velhice, destacando um ideal de sujeito ativo, saudável e produtivo. As organizações, sejam elas governamentais, empresas ou da sociedade civil constroem discursos e práticas a partir dessas representações, (re)produzindo-as. Temos como objetivo neste ensaio analisar como a velhice é apresentada e problematizada nos filmes "Copacabana" e "E se vivêssemos todos juntos?", tendo como pano de fundo a crítica sobre o lugar ocupado pelo velho na sociedade contemporânea. As discussões trazidas visam refletir sobre quem são esses sujeitos e as especificidades que lhes são características, as quais escapam de categorizações genéricas e abstratas como a de Melhor Idade

Biografia do Autor

Raquel Oliveira Barreto, Universidade Federal de Minas Gerais Instituto Federal do Norte de Minas Gerais
Doutoranda em Administração pelo Centro de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração (CEPEAD) da UFMG. Mestre em Administração pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). É coordenadora dos cursos técnico e superior em Administração do IFNMG - Instituto Federal do Norte de Minas Gerais, campus Araçuaí. Atualmente é pesquisadora do NEOS - Núcleo de Estudos Organizacionais e Sociedade e tem como áreas de interesse os Estudos Organizacionais e a Gestão de Pessoas, especificamente os seguintes temas: Subjetividade e Trabalho, Envelhecimento e Trabalho, Economia Solidária e Gestão Pública.
Alexandre de Pádua Carrieri, Universidade Federal de Minas Gerais
É Professor Titular UFMG. Doutor em Administração pela Universidade Federal de Minas Gerais (2001). Desde 2002 é Professor da Universidade Federal de Minas Gerais/Face/Cad/Cepead. Coordenador do NEOS - Núcleo de Estudos Organizacionais e Sociedade. Atua na linha de pesquisa: Estudos Organizacionais e Sociedade (Cepead).

Referências

Arendt, H. (1997). A condição humana (8a ed.). Rio de Janeiro: Forense Universitária.

Barreto, R. O. & Paula, A. P. P. (2015). Envelhecer ou não envelhecer, não é a questão: os desafios subjetivos inerentes ao trabalho com idosos. Anais do Encontro Anual da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração, Belo Horizonte, MG, Brasil, XXXI.

Beauvoir, S. (1990). A velhice: realidade incômoda (2a ed.). São Paulo: Difel. [1970]

Belchior, C. G. & Santana, C. S. (2013). A velhice nas telas do cinema: um olhar sobre a mudança dos papéis ocupacionais dos idosos. Revista Kairós Gerontologia, 16(2), 93-116.

Birman, J. (2009). Mal-estar na atualidade: a psicanálise e as novas formas de subjetivação (2a ed.). Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Brasil. (2016). Ministério da Saúde. Boletim epidemiológico HIV/AIDS. v. 48. Recuperado em 20 janeiro, 2018, de: http://portalarquivos2.saude.gov.br/images/pdf/2017/janeiro/05/2016_034-Aids_publicacao.pdf.

Bosi, E. (1983). Memórias e sociedade: lembranças de velhos. São Paulo: T. A. Queiroz.

Cabrera, J. (2006). O cinema pensa. Rio de Janeiro: Rocco.

COPACABANA. (2001). Direção: Carla Camurati. [Brasil]: Europa filmes; Imagem filmes. 1 DVD (92 min.).

Debert, G. G. (1999). A reinvenção da velhice: socialização e processos de reprivatização do envelhecimento. São Paulo: EDUSP.

Debert, G. G. (1997). A reinvenção da terceira idade e a rearticulação de formas de consumo e demandas políticas. Revista Brasileira de Ciências Sociais, 12(34), 39-56.

Debert, G. G. (2008). A antropologia e o estudo dos grupos e das categorias de idade. In: M. M. L. Barros (Ed.) Velhice ou terceira idade? Rio de Janeiro: FGV.

Deleuze, G. (1992). Conversações. São Paulo: 34.

Doll, J. (2006). Bem-estar na velhice: mitos, verdades e discursos, ou a gerontologia na pós-modernidade. Revista Brasileira de Ciências do Envelhecimento Humano, 3(1), 9-21.

Dornelas Neto, J., Nakamura, A. S., Cortez, L. E. R., & Yamaguchi, M. U. (2015). Doenças sexualmente transmissíveis em idosos: uma revisão sistemática. Ciência & Saúde Coletiva, 20(12), 3853-3864.

E se vivêssemos todos juntos? Direção: Stéphane Robelin. [França, Alemanha]: Imovision. 1 DVD. (92 min.)

Foucault, M. (2010). Nascimento da biopolítica: Lisboa: Edições 70.

Huczynski, A. & Buchanan, D. (2004). Theory from fiction: a narrative process perspective on the pedagogical use of feature film. Journal of Management Education, 28(6), 707-726.

Lasch, C. (1983). A cultura do narcisismo: a vida americana numa era de esperanças em declínio. Rio de Janeiro: Imago.

Machado, R. (2009). Deleuze, a arte e a filosofia. Rio de janeiro: Jorge Zahar.

Marques, S. C. A. (2009). O cinema da paixão: cultura espanhola na mídia. Tese de doutorado, Pontifícia Universidade de São Paulo, São Paulo, Sp, Brasil.

Marques, S. C. A. (2013). O cinema como ferramenta de análise e transformação cultural: o franquismo em Bigas Luna. Semeiosis: Semiótica e Transdisciplinaridade em Revista. Recuperado em 20 janeiro, 2018, de: http://www.semeiosis.com.br/u/64.

Moraes, R. (1999). Análise de conteúdo. Revista Educação, 22(37), 7-32.

Mucida, Â. (2006). O sujeito não envelhece: psicanálise e velhice (2a ed.). Belo Horizonte: Autêntica.

Nascimento, F. D. S. (2011). Velhice feminina: emoção na dança e coerção do papel de avó. Revista Brasileira de Sociologia da Emoção, 10(30), 457-505.

Oliveira, M. L., Oliveira, S. R., & Iguma, L. T. (2007). O processo de viver nos filmes: velhice, sexualidade e memória em Copacabana. Texto Contexto Enfermagem, 16(1), 157-162.

Peixoto, C. E. (1999). As imagens da velhice nas telas do cinema documentário. Cadernos Pagu, 13, 357-369.

Peres, M. A. C. (2007). Velhice, trabalho e cidadania: as políticas da terceira idade e a resistência dos trabalhadores idosos à exclusão social. Tese de doutorado, Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil.

Pesavento, S. J. (2003). História e história cultural. Belo Horizonte: Autêntica.

Rosenberg, R. L. (1992). Envelhecimento e morte. In: M. J. Kovács. Morte e desenvolvimento humano (pp. 58-89). São Paulo: Casa do Psicólogo.

Sais, A. P. (2011). Dispositivo da velhice: uma analítica interpretativa. Tese de doutorado, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC, Brasil.

Santos, M. C. (2013). Construções imaginárias da velhice no cinema brasileiro. Dissertação de mestrado, Universidade de Brasília, Brasília, DF, Brasil.

Santos, E. G. & Araújo, M. C. (2016). A velhice no século XXI e o cinema – relações com o ensino de biologia. Revista da SBEnBio, 9, 1263-1274.

Santos, S. S. (2006). Sexualidade e a velhice: uma abordagem psicanalítica. In: E. V. Freitas, L. Py, F. A. X. Cançado, J. Doll, & M. L. Gorzoni. (Orgs.). Tratado de geriatria e gerontologia (2a ed.) (pp. 1302-1306).. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan.

Tótora, S. (2013). Genealogia da velhice. Anais do Simpósio Nacional de História, Natal, RN, Brasil, XXVII.

Wanderley, A. A. R. (1999). Narcisismo contemporâneo: uma abordagem laschiana. Physis: Revista de Saúde Coletiva, 9(2), 31-47.

Wong, L. L. R. & Carvalho, J. A. (2006). O rápido processo de envelhecimento populacional do Brasil: sérios desafios para as políticas públicas. Revista Brasileira Estudos Populacionais, 23(1), 5-26.

Publicado
2019-02-09
Seção
Ensaios