NO CORAÇÃO DA LOUCURA: RESISTÊNCIA, PROTAGONISMO E A LUTA DE NISE DA SILVEIRA

  • Julice Salvagni PPG Ciências Sociais - Unisinos
  • Marília Veríssimo Veronese PPG Ciências Sociais - Unisinos
  • Marina Guerin Unisinos
  • Rayra Roncatto Rodrigues Unisinos
Palavras-chave: Nise da Silveira. Loucura. Trabalho. Desinstitucionalização. Estereótipos de Gênero.

Resumo

Este ensaio trata do filme Nise: no coração da loucura e tem como objetivo problematizar as representações da mulher constituídas a partir das premissas de louca, subversiva e incapaz. Encontraram-se no filme elementos para discutir a maneira como o saber médico e suas instituições de referência operam como ferramentas que reforçam os estereótipos de gênero. Abordam-se também os marcadores de gênero no mundo do trabalho, que no caso de Nise foram subvertidos numa instituição conservadora, como o hospital psiquiátrico. Entre os percalços do caminho traçado por Nise, o filme traz as maneiras que ela encontrou para se afirmar como médica psiquiatra e terapeuta ocupacional, se valendo da arte para construir seu método de trabalho. Nise da Silveira ainda é referência no que diz respeito ao cuidado de portadores de sofrimento psíquico, e o seu legado está presente nessa análise, como inspiração que perdura e produz efeitos até hoje.

Biografia do Autor

Julice Salvagni, PPG Ciências Sociais - Unisinos
Pós-Doutora, Programa Nacional de Pós-Doutorado da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (PNPD/CAPES). Doutora em Sociologia (UFRGS/CAPES - 2012). Mestre em Ciências Sociais (Unisinos- 2011), Especialista em Gestão Empreendedora (Ftec- 2009) e Psicóloga (Unisinos- 2007). Atuou como docente da Universidade de Caxias do Sul e como psicóloga clínica e do trabalho. Tem experiência como professora nos cursos de Pós-Graduação da Faculdade São Judas Tadeu e UniRitter Laureate International Universities.
Marília Veríssimo Veronese, PPG Ciências Sociais - Unisinos
Possui graduação em Psicologia pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (1991), mestrado em Psicologia Social pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (1999) e doutorado em Psicologia Social pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (2004). Realizou estágio sanduíche na Universidade de Havana em 2001 e no Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra em 2003, sob orientação de Boaventura de Sousa Santos. Atualmente é professor Titular I da Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS), sendo pesquisadora associada do grupo de pesquisa em Economia Solidária e Cooperativa (ECOSOL). Tem experiência na área de Sociologia e Psicologia Social, com atuação também na área de Saúde Coletiva.Pesquisa principalmente nos seguintes temas: economia solidária, autogestão, trabalho, contemporaneidade e subjetividade.
Marina Guerin, Unisinos
Graduanda em Psicologia (Unisinos)
Rayra Roncatto Rodrigues, Unisinos
Graduanda em Psicologia (Unisinos)

Referências

Amarante, P. (2009). Reforma psiquiátrica e epistemologia. Cadernos Brasileiros de Saúde Mental, 1(1), s.p.

Amarante, P. (1995). (Org). Loucos pela vida: a trajetória da reforma psiquiátrica no Brasil. Rio de Janeiro: Fiocruz.

Blay, E. A. (2001). Um caminho ainda em construção: a igualdade de oportunidades para as mulheres. Revista USP, 49, 82-97.

Bourdieu, P. (2011). A economia das trocas simbólicas (7a ed.). São Paulo: Perspectiva.

Bourdieu, P. (2003). A dominação masculina. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.

Bourdieu, P. (2002). O poder simbólico. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.

Bourdieu, P. & Passeron, J.-C. (1982). A reprodução: elementos para uma teoria do sistema de ensino (2a ed.). Rio de Janeiro: Francisco Alves.

Brasil. Ministério da Saúde. (2014). O Instituto Municipal Nise da Silveira e a busca da preservação da memória. 2014. Brasília: MS.

Brasil. Lei n o 10.216, de 6 de abril de 2001. (2001). Dispõe sobre a proteção e os direitos das pessoas portadoras de transtornos mentais e redireciona o modelo assistencial em saúde mental. Brasília, DF.

Castro, E. D. & Lima, E. M. F. A. Resistência, inovação e clínica no pensar e no agir de Nise da Silveira. Interface – Comunicação, Saúde, Educação, 11(22), 365-376.

Coneglian, L., Cavalcante, F., & Leandro, J. (2015). Reforma psiquiátrica e cidadania: considerações a partir de uma experiência. Trivum, 7(1), 127-133.

Corbain, A. (2008). O encontro dos corpos. In: A. Corbain, J.-J. Courtine, & G.Vigarello (Orgs.). História do corpo – Vol. II. Petrópolis: Vozes.

Coutinho, M., Yuko, B., Kitagawa C., & Dall’acqua, S. (2004). Benefícios advindos da interação homem-cão. Revista do Instituto de Ciência da Saúde, 22(2), 123-128.

Cunha, M. C. P. (1989). Loucura, gênero feminino: as mulheres do Juquery na São Paulo do início do século XX. Revista Brasileira de História, 9(18), p. 129-144.

Dionísio, G. (2012). O antídoto do mal: crítica de arte e loucura na modernidade brasileira. Rio de Janeiro: Fiocruz.

Fabris, E. H. (2008). Cinema e educação: um caminho metodológico. Educação & Realidade, 33(1), 117-134.

Fernandes, S. M. B. A. (2015). Nise da Silveira e a saúde mental no Brasil: um itinerário de resistência. 2015. 206f. Tese de doutorado, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, RN, Brasil.

Fonseca, T. (2000). Gênero, subjetividade e trabalho. Petrópolis: Vozes.

Foucault, M. (1999a). Vigiar e punir: nascimento da prisão. Petrópolis: Vozes.

Foucault, M. (1999b). História da sexualidade 1: a vontade de saber. Rio de Janeiro: Graal.

Foucault, M. (1972). História da loucura na idade clássica. São Paulo: Perspectiva.

Foucault, M. (1979). Microfísica do Poder. Rio de Janeiro: Graal,.

Frayze-Pereira, J. A. (2003). Nise da Silveira: imagens do inconsciente entre psicologia, arte e política. Estudos Avançados, 17(49), 197-208.

Gama, J. R. A. (2012). A constituição do campo psiquiátrico: duas perspectivas antagônicas. História, Ciências, Saúde – Manguinhos, 19(1), 139-155.

Kramer, H. & Sprenger, J. (1991). O martelo das feiticeiras. Rio de Janeiro: Rosa dos Tempos.

Louro, G., Neckel, J. F., & Goellner, S. V. (2003). (Orgs.). Corpo, gênero e sexualidade: um debate contemporâneo na educação. Petrópolis: Vozes.

Löwy, I. (2009). Ciências e gênero. In: H. Hirata (Org.). Dicionário crítico do feminismo. São Paulo: UNESP.

Martins, C. L., Pinto, B. K., Soares, M. C., Muniz, R. M., Pickersgill, M. F., & Antoniolli, L., (2013). Feminine identity: the representation of the uterus for women undergoing hysterectomy. Revista Online de Pesquisa Cuidado é Fundamental, 5(4), 574-582.

Matos, M. I. S. (2017). Em nome do engrandecimento da nação: representações de -gênero no discurso médico-São Paulo 1890-1930. Diálogos, 4(1), 77-92.

Mello, L. C. (2015). Nise da Silveira: caminhos de uma psiquiatra rebelde. Rio de Janeiro: Automática.

Menegat, D. R. (2010). A desinstitucionalização do portador de doença mental e a reforma psiquiátrica brasileira. Revista do Ministério Público do RS, 66(1), 33-64.

Menezes, P. R. A. (1996). Cinema: imagem e interpretação. Tempo Social, 8(2), 83-104.

Monteiro, M. C. (1999). Figuras errantes na época vitoriana: a preceptora, a prostituta e a louca. Fragmentos: Revista de Língua e Literatura Estrangeiras, 8(1), 61-71.

Muraro, R. M. (1991). Breve introdução histórica. In: H. Kramer, & J. Sprenger. O Martelo das Feiticeiras (pp. 5-17). Rio de Janeiro: Rosa dos Tempos.

NISE da Silveira: no coração da loucura. (2015). Direção: Roberto Berliner. [S.l.]: Imagem Filmes. I DVD (109 minutos).

Odendaal, J. S. (2000). Animal-assisted therapy – magic or medicine? Journal of Psychosomatic Medicine, 49(4), 275-280.

Pegoraro, R. F. & Caldana, R. H. L. (2008). Mulheres, loucura e cuidado: a condição da mulher na provisão e demanda por cuidados em saúde mental. Saúde e Sociedade, 17(2), 82-94.

Perrot, M. (1992). Os excluídos da história: operários, mulheres e prisioneiros (2ª ed.). Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Resende, H. (1994). Política de saúde mental no Brasil: uma visão da história. In: S. Tundis & N. Costa (Orgs.). Cidadania e loucura: políticas de saúde mental no Brasil (pp. 15-74). Petrópolis: Vozes.

Richards, J. (1993). Sexo, desvio e danação: as minorias na Idade Média. Rio de Janeiro: Zahar.

Rohden, F. (2003). A construção da diferença sexual na medicina. Cadernos de Saúde Pública, 19(Sup. 2), S201-S212.

Rohden, F. (2001). Uma ciência da diferença: sexo e gênero na medicina da mulher. Rio de Janeiro: Fiocruz.

Saffioti, H. I. B. (2001). Contribuições feministas para o estudo da violência de gênero. Cadernos Pagu, 16, 115-136.

Santos, B. S. (2009). As vozes do mundo. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Santos, B. S. (2002). A crítica da razão indolente: contra o desperdício da experiência. São Paulo: Cortez.

Santos, B. S. (1996). Pela mão de Alice: o social e o político na pós-modernidade. São Paulo: Cortez.

Santos, B. S. (1988). Um discurso sobre as ciências na transição para uma ciência pós-moderna. Estudos Avançados, 2(2), 46-71.

Santos, B. S. & Meneses, M. P. (2009). Epistemologias do sul. Coimbra: Almedina.

Scheffer, M. C. & Cassenote, A. J. F. (2013). A feminização da medicina no Brasil. Revista Bioética, 21(2), 268-277.

Scott, J. (1992). História das mulheres. In: P. Burke (Org.). A escrita da história: novas perspectivas (4a ed.) (pp. 63-95). São Paulo: UNESP, 1992.

Sorlin, P. (1977). Sociologie du cinéma. Paris: Aubier.

Souza-Lobo, E. (2011). A classe operária tem dois sexos: trabalho, dominação e resistência. São Paulo: Fundação Perseu Abramo.

Tittoni, J. (2004). Subjetivação e trabalho: reflexões sobre a Economia Solidária. Anais do Congresso Luso-Afro-Brasileiro de Ciências Sociais, Coimbra, Portugal, 8.

Toledo, E. (2015). História, sexualidade e loucura: as psicocirurgias no Hospital Psiquiátrico de Juquery sob o prisma de gênero (1936-1951). Temporalidades – Revista Discente do Programa de Pós-Graduação em História da UFMG, 7(2), 218-238.

Varikas, E. Gênero, experiência e subjetividade: a propósito do desacordo Tilly- Scott. Cadernos Pagu, 3, 63-84.

Vilutis, L. (2011). Pontos de cultura e economia solidária – aproximações e possibilidades. Rio de Janeiro: Casa Rui Barbosa.

Woodward, K. (2000). Identidade e diferença: uma introdução teórica e conceitual. In: Silva, T. T.. Hall, S., & Woodward, K. Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais (pp. 7-72). Petrópolis: Vozes.

Publicado
2019-02-09
Seção
Dossiê "Cinema: Trabalho, Organizações e Sociedade"