INVISIBILIDADES NO ÂMBITO DO TRABALHO DE LIMPEZA: UM ESTUDO EM UMA INSTITUIÇÃO FEDERAL DE ENSINO SUPERIOR

  • Daiane de Lourdes Martins Universidade Federal de Ouro Preto Departamento de Ciências Administrativas
  • Diego Luiz Teixeira Boava Universidade Federal de Ouro Preto Departamento de Ciências Administrativas
  • Fernanda Maria Felicio Macedo Universidade Federal de Ouro Preto Departamento de Ciências Administrativas
  • Jussara Jéssica Pereira Fundação Getúlio Vargas
Palavras-chave: Trabalhadores invisíveis, Universidade Federal, Limpeza, Mulheres

Resumo

Ordinariamente a divisão social do trabalho faz com que certos tipos de trabalhadores sejam considerados invisíveis, como aqueles que fazem a limpeza. Isso decorre da questão da indiferença, do preconceito ou da alienação, sendo dirigidos aqueles trabalhadores à margem da sociedade. Nesse cenário, no presente trabalho visa-se analisar as vivências e percepções de funcionários da limpeza atuantes em uma Universidade Federal, acerca do trabalho realizado por eles. A relevância dessa proposta de pesquisa consiste em atribuir voz às pessoas que não são valorizadas em seu ambiente de trabalho, por realizarem uma atividade que pressupõe pouca qualificação acadêmica. Para o desenvolvimento deste trabalho foram realizadas entrevistas de caráter semiestruturado com oito mulheres, atuantes em cinco unidades acadêmicas de uma Universidade Federal no setor de limpeza, uma vez que não foram encontrados homens que ocupavam cargos ligados à faxina. Os dados transcritos foram interpretados via análise de conteúdo.

Biografia do Autor

Daiane de Lourdes Martins, Universidade Federal de Ouro Preto Departamento de Ciências Administrativas

Bacharel em Administração (UFOP)

Colaboradora em pesquisa

Diego Luiz Teixeira Boava, Universidade Federal de Ouro Preto Departamento de Ciências Administrativas

Prof. Adjunto na Universidade Federal de Ouro Preto

Doutor em Administração (UFLA)

Fernanda Maria Felicio Macedo, Universidade Federal de Ouro Preto Departamento de Ciências Administrativas

Profa. Adjunta na Universidade Federal de Ouro Preto

Doutora em Administração (UFLA)

Jussara Jéssica Pereira, Fundação Getúlio Vargas
Doutoranda em Administração (FVG)

Referências

Alcadipani, Rafael (2012). Invisíveis organizacionais. GV-Executivo, 11(1), 65.

Alvarez, Denise & Azevedo, Eliza R. F. (2016). O trabalho feminino na função de limpeza de prestadoras de serviço em uma instituição de ensino superior. Revista Vianna Sapiens, 7(1), 185-212.

Ashforth, Blake E. & Kreiner, Glen E. (1999). “How can you do it?” Dirty work and the challenge of constructing a positive identity. Academy of Management Review, 24(3), 413-434.

Azevedo, Eliza R. F. (2015). Análise do trabalho e da saúde das mulheres que desempenham a função de limpeza no Polo Universitário de Volta Redonda. Dissertação de mestrado, Universidade Federal Fluminense, Niterói, Brasil.

Bardin, Laurence. (2011). Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70.

Bendassolli, Pedro F. & Falcão, Jorge T. R. (2013). Psicologia social do trabalho sujo: revendo conceitos e pensando em possibilidades teóricas para a agenda da psicologia nos contextos de trabalho. Universitas Psychologica, 12(4), 1153-1166.

Bosmans, Kim, Mousaid Sarah, Cuyper, Nele, Hardonk, Stefan, Louckx, Fred, & Vanroelen, Christophe. (2016). Dirty work, dirty worker? Stigmatisation and coping strategies among domestic workers. Journal of Vocational Behavior, 92, 54-67.

Bourdieu, Pierre (2015). A distinção: crítica social do julgamento. Porto Alegre: Zouk.

Caeiro, Mariana, Carvalho Neto, Antônio, & Guimarães, Ludmila V. M. (2016). A construção de sentido para o “trabalho sujo”: trajetórias de vida de faxineiras. Anais do Congresso Brasileiro de Estudos Organizacionais, Porto Alegre, RS, Brasil, IV.

Campos, Claudinei J. G. (2004). Método de análise de conteúdo: ferramenta para a análise de dados qualitativos no campo da saúde. Revista Brasileira de Enfermagem, 57(5), 611-614.

Carloto, Cassia M. (2003). Adoecimento no trabalho, as mulheres na categoria de asseio e limpeza. Serviço Social em Revista, 6(1), 39-46.

Carreteiro, Teresa C. (2003). Sofrimentos sociais em debate. Psicologia USP, 14(3), 57-72.

Celeguim, Cristiane R. J. & Roesler, Heloísa M. K. N. (2009). A invisibilidade social no âmbito do trabalho. Revista Interação, 3(1), 1-19.

Chaves, Marjorie N. N. (2014). Terceirização dos serviços de limpeza: vivências de sofrimento de mulheres negras trabalhadoras diante do trabalho. Anais do Simpósio Nacional sobre Democracia e Desigualdades, Brasília, DF, Brasil, II.

Chillida, Manuela S. P. & Cocco, Maria I. M. (2004). Saúde do trabalhador & terceirização: perfil de trabalhadores de serviço de limpeza hospitalar. Revista Latino-Americana de Enfermagem, 12(2), 271-276.

Costa, Fernando B. (2008). Moisés e Nilce: retratos biográficos de dois garis: um estudo de psicologia social a partir observação participativa e entrevistas. Tese de doutorado, Universidade de São Paulo, São Paulo, Brasil.

Costa, Jônatas L., Fonseca Vanessa L., & Oliveira, Manuel N. A. (2009). Invisibilidade social e suas representações subjetivas. Goiânia: CAJ/UFG.

Cunha, Yuri R. (2015). Terceirização e terceirizados: um estudo sobre os impactos objetivos e subjetivos da terceirização sobre trabalhadores terceirizados que atuam no setor de limpeza em escolas estaduais no Município de Marília-SP. Dissertação de mestrado, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, Marília, Brasil.

Dantas, Marcos & Seto, Kenzo S. Terceirizados e precarizados, novas vozes na universidade. Recuperado em 10 abril, 2015, de: https://www.cartacapital.com.br/educacao/terceirizados-e-precarizados-novas-vozes-na-universidade-9490. html.

DIEESE/CUT (2014). Terceirização e desenvolvimento: uma conta que não fecha: dossiê acerca do impacto da terceirização sobre os trabalhadores e propostas para garantir a igualdade de direitos. São Paulo: DIEESE/CUT.

Druck, Graça (2013). A terceirização no setor público e a proposta de liberalização da terceirização pelo PL 4330. Jornal dos Economistas, 291, 11-13.

Duarte, Felipe (2015). Trajetórias e vivências de trabalhadoras terceirizadas da limpeza da Universidade Federal de Uberlândia (2011-2015). Trabalho de conclusão de curso, Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, Brasil.

Elias, Norbert (1994). O processo civilizador, volume 1: uma história dos costumes. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

Ferreira, Carlos A. F. (2016). Terceirização e precarização do trabalho: um estudo de caso da limpeza em uma universidade pública do estado de Minas Gerais. Trabalho de conclusão de curso, Universidade Federal de Ouro Preto, Ouro Preto, Brasil.

Godoy, Claudia G. P., Mascarenhas, Mônica C. K., & Pinto, Sylvia R. C. F. (2007). Ética e relações interpessoais entre servidores e terceirizados. Trabalho de conclusão de curso, Fundação Instituto de Administração, Brasília, Brasil.

Goldenberg, Miriam (2004). A arte de pesquisar: como fazer pesquisa qualitativa em ciências sociais. Rio de Janeiro: Record.

Houaiss, Antônio, Villar, Mauro, & de Mello Franco, Francisco Manuel (2001). Dicionário Houaiss da língua portuguesa. São Paulo: Objetiva.

Hughes, Everetti C. (1962). Good people and dirty work. Social Problems, 10(1), 3-11.

Hughes, Everetti. C. (1958). Men and their work. Glencoe: Free Press.

Hughes, Everetti C. (1951). Work and the Self. In John H. Rohrer & Muzafer Sherif. Social psychology at the

crossroads (pp. 313-323). New York: Harper & Brothers.

Irber, Beatriz G. C. S. (2016). Trabalhadoras terceirizadas de limpeza e conservação da UnB: relatos de violências, invisibilidade e precarização. Trabalho de conclusão de curso, Universidade de Brasília, Brasília, Brasil.

Lykawka, Liliane (2013). O trabalho terceirizado: reconhecimento, valorização e satisfação. Trabalho de conclusão de curso, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, Brasil.

Martins, Joel & Bicudo, Maria A. V. B. (1989). A pesquisa qualitativa em psicologia: fundamentos e recursos básicos. São Paulo: Cortez.

Mendes, Rita C. L. O. (2009). Os catadores e seletores de material reciclável: o social e o ambiental na lógica do capitalismo. Tese de doutorado, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, Franca, Brasil.

Moraes, Roque (1999). Análise de conteúdo. Revista Educação, 22(37), 7-32.

Morales, Lúcia A. (2010); Faxineiras em um campus universitário. Anais do Seminário de Saúde do Trabalhador de Franca, Franca, SP, Brasil, 7.

Mozzato, Anelise R. & Grzybovski, Denize (2011). Análise de conteúdo como técnica de análise de dados qualitativos no campo da administração: potencial e desafios. Revista de Administração Contemporânea, 15(4), 731-747.

Nunes, Jordão H. (2014). Dilemas identitários no mundo dos serviços: da invisibilidade à interação. Sociologias, 16(35), 238-273.

Olabuenaga, José I. R. & Ispizua, María A. (1989). La descodificacion de la vida cotidiana: metodos de investigacion cualitativa. Bilbao: Universidad de Deusto.

Recio, Albert & Godino, Alejandro (2011). Invisible workers: quality of employment in the cleaning sector in Spain. Vienna: Walqing Social Partnership Series.

Rodrigues, Gilson (2009). (In)visibilidade social: o jogo dramático entre visibilidade e invisibilidade dos atores sociais. Recuperado em 29 março, 2018 de: http://www.enapet.ufsc.br/anais/IN_VISIBILIDADE_SOCIAL_O_JOGO_DRAMATICO_ENTRE_VISIBILIDADE_E_INVISIBILIDADE_DOS_ATORES_SOCIAIS.pdf.

Saraiva, Luiz Alex S. Homens invisíveis: relatos de uma humilhação social. Revista de Administração Contemporânea, 9(1), 244-245.

Sawaia, Bader B. (2002). O sofrimento ético-político como categoria de análise da dialética exclusão/inclusão. In Bader Sawaia (Org.). As artimanhas da exclusão. Análise psicossocial e ética da desigualdade social (pp. 97-118). Petrópolis: Vozes.

Severo, Valdete S. (2015). Terceirização: o perverso discurso do mal menor. Revista Trabalhista Direito e Processo, 14(54), 170-188.

Silva, Obdália S. F. (2008). Os ditos e os não-ditos do discurso: movimentos de sentidos por entre os implícitos da linguagem. Revista entreideias: educação, cultura e sociedade, 13(14), 39-53.

Silveira, Amanda M., Domingos, Camila B. D., Lambertucci, Danielle B., Pacheco, Maria I. G. G., & Andrade, Tábatta J. M. (2016). Trabalho e terceirização: contexto dos serviços de limpeza na Faculdade de Direito e Ciências do Estado – UFMG. Revice – Revista de Ciências do Estado, 1(2), 187-211.

Souza, Eliane S. (2012). A “maquiagem” do trabalho formal: um estudo do trabalho das mulheres terceirizadas no setor de limpeza na Universidade Federal da Bahia. Dissertação de mestrado, Universidade Federal da Bahia, Salvador, Brasil.

Souza, Eliane S. (2010). A “maquiagem” do trabalho formal: um estudo do trabalho das mulheres terceirizadas no setor de limpeza na Universidade Federal da Bahia. Anais do Seminário Nacional de Trabalho e Gênero: Associativismo, Profissões e Políticas Públicas, Goiânia, GO, Brasil, III.

Souza, Tatiele P. (2011). Identidade e subalternidade: a construção da identidade de trabalhadores serventes de limpeza. Dissertação de mestrado, Universidade Federal de Goiás, Goiânia, Brasil.

Tomás, Júlia C. S. P. (2008). A invisibilidade social, uma perspectiva fenomenológica. Anais do Congresso Português de Sociologia, Lisboa, Portugal, 6º.

Vilhena, Junia, Zamora, Maria H. R. N., & Rosa, Carlos M. (2011). Da lei dos homens a lei da selva. Sobre adolescentes em conflito com a lei. Trivum, 3(2), 27-40.

Yin, Robert K. (2005). Estudo de caso: planejamento e métodos. Porto Alegre: Bookman.

Publicado
2020-03-20
Seção
Artigos