A FUNÇÃO MODERADORA DA AMBIGUIDADE CAUSAL NA RELAÇÃO ENTRE OS RECURSOS INTANGÍVEIS E O DESEMPENHO DAS FIRMAS

Autores

  • Ana Karine Lima de Medeiros Universidade de Fortaleza
  • José Milton de Sousa Filho Universidade de Fortaleza

DOI:

https://doi.org/10.22561/cvr.v31i2.4705

Palavras-chave:

Capital humano, Marca, Desenvolvimento de mercado, Interação com a comunidade, RBV

Resumo

Esta pesquisa objetiva debater a relação entre os recursos intangíveis e o desempenho das firmas, sob a moderação da ambiguidade causal. Baseado no referencial teórico, identificou-se que os recursos intangíveis (a) capital humano, (b) reputação, (c) desenvolvimento de mercado e (d) interação com a comunidade, possuem características causalmente ambíguas e que poderiam impactar o desempenho das firmas. Com base numa amostra de 66 empresas distribuídas em 5 países da América Latina (Brasil, México, Chile, Colômbia e Argentina), bem como, utilizando-se de regressão linear múltipla, a variável dependente desempenho das firmas, representada pelos indicadores ROA e ROE, foi regredida em função das variáveis independentes para o período de 2011 a 2013. Como resultado, a ambiguidade causal moderou positivamente a relação entre capital humano e desempenho (tanto para ROA como para ROE), bem como, moderou positivamente a relação entre desenvolvimento de mercado e desempenho (considerando o ROE). Desta forma, pode-se afirmar que para a amostra analisada, os investimentos em capital humano e desenvolvimento de mercado impactaram no desempenho das firmas, quando moderados pela ambiguidade causal. Por fim, é limitada a produção científica sobre o tema mecanismos de isolamento sob a ótica da RBV, onde se encaixa a ambiguidade causal, no Brasil, bem como, na América Latina. Desta forma, os resultados desta pesquisa exploratória intentam contribuir na ampliação das discussões sobre o assunto, na intersecção de estudos sobre recursos intangíveis, ambiguidade causal e desempenho, bem como, abre possibilidades para futuras pesquisas.

Biografia do Autor

Ana Karine Lima de Medeiros, Universidade de Fortaleza

Doutoranda em Administração de Empresas pela Universidade de Fortaleza (UNIFOR)

José Milton de Sousa Filho, Universidade de Fortaleza

Doutor em Administração de Empresas pela Fundação Getúlio Vargas (FGV-SP).

Professor Titular na Universidade de Fortaleza.

Referências

Ambec, S. & Lanoie P. (2007). When and why does it pay to be green?, Working Paper, Grenoble Applied Economics Laboratory (GAEL), Université Pierre Mende`s-France.

Ambrosini, V. & Bowman, C. (2010). The impact of causal ambiguity on competitive advantage and rent appropriation. British Journal of Management, 21(4), 939-953. DOI: 10.1111/j.1467-8551.2009.00644.x .

Antunes, M. T. P. & Martins, E. (2007). Capital intelectual: Seu entendimento e seus impactos no desempenho de grandes empresas brasileiras. Revista de Administração e Contabilidade Unisinos, 4(1), 5-21.

Bandeira-De-Mello, R., Marcon, R. & Alberton, A. (2011). Performance effects of stakeholder interaction in emerging economies: Evidence from Brazil. Brazilian Administration Review, 8(3), 329-350. DOI: 10.1590/S1807-76922011000300007

Barney, J. (1991). Firm resources and sustained competitive advantage. Journal of Management, 17(1), 99-120. DOI: 10.1177/014920639101700108

Barney, J. B. & Hesterly, W. S. (2011). Administração estratégica e vantagem competitiva. São Paulo: Pearson.

Barney, J., Wright, M. & Ketchen Jr., D. J. (2011). The resource-based view of the firm: Ten years after 1991. Journal of Management, 27, 625-64. DOI: 10.1016/S0149-2063(01)00114-3

Burke, L.; Logsdon, J. M. (1996). How corporate social responsibility pays off. Long Range Planning, 29(4), 495-502. DOI: 10.1016/0024-6301(96)00041-6

Calderon, H., Cervera, A. & Molla, A. (1997). Brand assessment: a key element of marketing strategy. Journal of Product & Brand Management, 6(5), 293-304. DOI: 10.1108/10610429710179462

Campos, T. L. C. (2006). Políticas para stakeholders: um objetivo ou uma estratégia organizacional? Revista de Administração Contemporânea, 10(4), 111-130. DOI: 10.1590/S1415-65552006000400006

Carmeli, A. & Tishler, A. (2004). The relationships between intangible organizational elements and organizational performance. Strategic Management Journal, 25, 1257-1278. DOI: 10.1002/smj.428

Carmona, O. I. (2010). El valor de las principales marcas en la economía del conocimiento. Cuadernos de Información, 27, 75-84. DOI: 10.7764/cdi.27.24

Carvalho, F. M., Kayo, E. K. & Martin, D. M. L. (2010). Tangibilidade e intangibilidade na determinação do desempenho persistente de firmas brasileiras. Revista de Administração Contemporânea, 14(5), 871-889. DOI: 10.1590/S1415-65552010000500007

Coelho, A. L., Nascimento, S., Coelho, C., Bortoluzzi, S. & Ensslin, L. (2008). Avaliação de desempenho organizacional: uma investigação científica das principais ferramentas gerenciais. Anais do Congresso Brasileiro de Custos, 15, Curitiba.

Colauto, R. D., Nascimento, P. S., Avelino, B. C. & Bispo, O. N. A. (2009). Evidenciação de ativos intangíveis não adquiridos nos relatórios da administração das companhias listadas nos níveis de governança corporativa da Bovespa. Contabilidade Vista & Revista, 20(1), 143-169. Disponível em: https://revistas.face.ufmg.br/index.php/contabilidadevistaerevista/article/view/577

Gao, Y. (2012). China as the workshop of the world: An analysis at the national and industry level of China in the international division of labor. London: Routledge.

Girioli, L. S. (2010). Análise do uso de medidas de desempenho de empresas presentes na pesquisa em contabilidade no Brasil. Tese (Doutorado em Contabilidade) – Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Universidade de São Paulo, São Paulo.

Gisip, I. A. & Harun, A. (2013). Antecedents and outcomes of brand management from the perspective of Resource-Based View (RBV) Theory. Mediterranean Journal of Social Sciences, 4(10), 432-438. DOI: 10.5901/mjss.2013.v4n10p432

Gruman, J. A. & Saks, A. M. (2011). Performance management and employee engagement. Human Resources Management Review, 1(2), 123-136. DOI: 10.1016/j.hrmr.2010.09.004

Holanda, A. P., de Almada, S. R. & De Luca, M. M. M. (2010). Associação entre o desempenho socioambiental e o desempenho financeiro: um estudo nas empresas do setor elétrico brasileiro. Anais do Congresso Brasileiro de Custos.

Hoskisson, R. E., Hitt, M., Ireland, R. D. & Harrison, J. S. (2009). Estratégia competitiva. 2. ed. São Paulo: Cengage Learning.

Husted, B. W. (2003). Governance Choices for Corporate Social Responsibility: to Contribute, Collaborate or Internalize? Long Range Planning, 36(5), 481-498. DOI: 10.1016/S0024-6301(03)00115-8.

Kayo, E. K. & Famá, R. (2004). A estrutura de capital e o risco das empresas tangível-intensivas e intangível-intensivas. Revista de Administração USP, 39(2), 164-176. Disponível em: http://www.spell.org.br/documentos/ver/16791/a-estrutura-de-capital-e-o-risco-das-empresas-tangivel-intensivas-e-intangivel-intensivas/i/pt-br

Khauaja, D. M. R. (2010). Gestão de marcas na estratégia de internacionalização de empresas: estudo com franqueadoras brasileiras. Tese (Doutorado em Administração) – Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Universidade de São Paulo, São Paulo.

King, A. W. & Zeithaml, C. P. (2001). Competencies and firm performance: examining the causal ambiguity paradox. Strategic Management Journal, 22, 75-99. DOI: 10.1002/1097-0266(200101)22:1<75::AID-SMJ145>3.0.CO;2-I

King, A. W. (2007). Disentangling interfirm and intrafirm causal ambiguity: A conceptual model of causal ambiguity and sustainable competitive advantage. Academy of Management Review, 32(1), 156-178. DOI: 10.5465/AMR.2007.23464002

Kolk, A., Lee, H. M. & Dolen, W. V. (2012). A fat debate on big food? Unraveling blogosphere reactions. California Management Review, 55(1), 47-73. DOI: 10.1525/cmr.2012.55.1.47

Kotler, P. & Keller, K. (2006). Marketing management: analysis, planning, implementation and control. 12th ed. Englewood Cliffs, NJ: Prentice-Hall.

Lacombe, B. M. B. & Albuquerque, L. G. (2008). Avaliação e mensuração de resultados em gestão de pessoas: Um estudo com as maiores empresas instaladas no Brasil. Revista de Administração USP, 43(1), 5-16. DOI: 10.1590/S0080-21072008000100001

Lev, B. (2001). Intangibles: management, measurement, and reporting. Washington: Brookings Institution.

Lippman, S. A., & Rumelt, R. P. (1982). Uncertain imitability: An analysis of interfirm differences in efficiency under competition. The Bell Journal of Economics, 418-438. DOI: 10.2307/3003464

Lovato, L. (2011). Indicadores estratégicos para a gestão do desempenho empresarial: estudo de caso de uma empresa do setor elétrico. Dissertação (Mestrado em Organizações e Desenvolvimento) – Curso de Mestrado em Organizações e Desenvolvimento, FAE Centro Universitário Franciscano, Curitiba.

Mahoney, L. & Roberts, W. (2007). Corporate social performance, financial performance and institutional ownership in Canadian firms. Accounting Forum, 31(3), 233-253. DOI: 10.1016/j.accfor.2007.05.001

Makni, R., Francoeur, C. & Bellavance, F. (2009). Causality between corporate social performance and financial performance: evidence from Canadian firms. Journal of Business Ethics, 89(3), 409-422. DOI: 10.1007/s10551-008-0007-7

Mazzioni, S., Rigo, V. P., Klann, R. C. & Silva Junior, J. C. A. (2014). A relação entre a intangibilidade e o desempenho econômico: estudo com empresas de capital aberto do Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul (BRICS). Advances in Scientific and Applied Accounting, 7(1), 122-148. DOI: 10.14392/asaa.2014070105

Morgan, N. A., Vorhies, D. W. & Mason, C. H. (2009). Market orientation, marketing capabilities, and firm performance. Strategic Management Journal, 30(8), 909-920. DOI: 10.1002/smj.764

Nascimento, S., Bortoluzzi, S. C., Dutra. A. & Ensslin, S. R. (2011). Mapeamento dos indicadores de desempenho organizacional em pesquisas da área de Administração, Ciências Contábeis e Turismo no período de 2000 a 2008. Revista de Administração USP, 46(4), 373-391. DOI: 10.5700/rausp1018

Oliveira, M. O. R., Trombetta, M. S., Silveira, R. H., Procianoy, J. L. & Luce, F. B. (2010). Interface entre marketing e finanças: um levantamento sobre indicadores de desempenho e aproximação entre as essas áreas. Anais do Encontro Anual da Associação Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Administração, 34, Rio de Janeiro.

Oliveira, A. M. B. & Oliveira, A. J. (2011). Gestão de recursos humanos: uma metanálise de seus efeitos sobre desempenho organizacional. Revista de Administração Contemporânea, 15(4), 650-669. DOI: 10.1590/S1415-65552011000400006

Omil, J. C., Lorenzo, P. C. & Liste, A. V. (2011). The power of intangibles in high-profitability firms. Total Quality Management & Business Excellence, 22(1), 29-42. DOI: 10.1080/14783363.2010.529642

Orellano, V. I. F. & Quiota, S. (2011). Análise do retorno dos investimentos socioambientais das empresas brasileiras. Revista de Administração de Empresas-RAE, 51(5), 471-484. DOI: 10.1590/S0034-75902011000500005

Peng, M. W. (2008). Global strategy. Cincinnati: South-Western Thomson.

Reed, R. & DeFillippi, R. J. (1990). Causal ambiguity, barriers to imitation, and sustainable competitive advantage. Academy of Management Review, 15(1), 88-102. DOI: 10.2307/258107

Simonin, B. L. (1999). Transfer of marketing know-how in international strategic alliances: An empirical investigation. Journal of International Business Studies, 30(3), 463-490. DOI: 10.1057/palgrave.jibs.8490079

Song, M., Nason, R. W. & Benedetto, A. D. (2008). Distinctive marketing and information technology capabilities and strategic types: A cross national investigation. Journal of International Marketing, 16(1), 4-28. DOI: 10.1509/jimk.16.1.4

Sousa-Filho, J. M., Pereira Filho, H. & Ximenes, P. K. M. (2014). Mecanismos de isolamento à luz da resource-based view: publicação brasileira em 2001-2013. Revista Brasileira de Estratégia - REBRAE, 7(2), 205-222. DOI: 10.7213/rebrae.07.002.AO06

Sousa-Filho, J. M. & Barbieri, J. C. (2015). Estratégia socioambiental baseado em recursos e ambiguidade causal. Revista de Administração de Empresas – RAE, 55(6), 699-711. DOI: 10.1590/S0034-759020150608

Surroca, J., Tribo, J. A. & Waddock, S. (2010). Corporate responsibility and financial performance: the role of intangible resources. Strategic Management Journal, 31, 463-490. DOI: 10.1002/smj.820

Vorhies, D. W., & Morgan, N. A. (2005). Benchmarking marketing capabilities for sustainable competitive advantage. Journal of Marketing, 69(1), 80-94. DOI: 10.1509/jmkg.69.1.80.55505

Downloads

Publicado

2020-07-12

Como Citar

MEDEIROS, A. K. L. de; SOUSA FILHO, J. M. de. A FUNÇÃO MODERADORA DA AMBIGUIDADE CAUSAL NA RELAÇÃO ENTRE OS RECURSOS INTANGÍVEIS E O DESEMPENHO DAS FIRMAS. Contabilidade Vista & Revista, [S. l.], v. 31, n. 2, 2020. DOI: 10.22561/cvr.v31i2.4705. Disponível em: https://revistas.face.ufmg.br/index.php/contabilidadevistaerevista/article/view/4705. Acesso em: 27 set. 2020.