Análise dos Estilos de Apredizagem dos Alunos e Professores do Curso de Graduação em Ciências Contábeis de uma Universidade Pública do Estado do Paraná com a Aplicação do Inventário de David Kolb

Autores

  • Nelma Terezinha Zubek Valente
  • Diva Brecailo Abib
  • Luiz Fabiano Kusnik

Palavras-chave:

Estilos de aprendizagem, Teste Kolb, Universitários, Ciências Contábeis

Resumo

    Este artigo apresenta os resultados de pesquisa originada com a aplicação do Teste Kolb para identificar os estilos de aprendizagem dos alunos e professores do curso de graduação em Ciências Contábeis da Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG). Os dados coletados com 247 alunos e 22 professores, no ano de 2005, permitiram constatar que, muito embora o estilo predominante da maioria dos alunos pesquisados (53%) tenha se concentrado no grupo “experimentação ativa”, os professores em sua maioria (45%) mostram predominância no estilo denominado “conceituação abstrata”. Tal constatação indica uma discrepância entre o modo preferido de aprender dos alunos e o modo de ensinar dos professores. Ou seja, enquanto grande parcela dos docentes prefere ensinar através de conceitos e fundamentos, visando à produtividade e à competência, transmitindo habilidades para que os alunos saibam como fazer as coisas, a maior parte dos alunos, por sua vez, concentra-se no grupo que prefere aprender com professores que encorajam a aprendizagem experimental e a autodescoberta, e que procuram expandir os limites intelectuais de seus alunos. Urge portanto que os atuais métodos de ensino utilizados pelos professores sejam revistos inserindo-se estratégias mais adequadas aos diferentes modos de aprender dos alunos.

Downloads

Publicado

2009-05-11

Como Citar

VALENTE, N. T. Z.; ABIB, D. B.; KUSNIK, L. F. Análise dos Estilos de Apredizagem dos Alunos e Professores do Curso de Graduação em Ciências Contábeis de uma Universidade Pública do Estado do Paraná com a Aplicação do Inventário de David Kolb. Contabilidade Vista & Revista, [S. l.], v. 18, n. 1, p. 51-74, 2009. Disponível em: https://revistas.face.ufmg.br/index.php/contabilidadevistaerevista/article/view/319. Acesso em: 19 abr. 2021.