SOBRE CULTURAS E IDENTIDADES: O (RE) PENSAR DA CONSTITUIÇÃO DOS INDIVÍDUOS E DAS ORGANIZAÇÕES

André Felipe Vieira Colares

Resumo


O livro “Estudos organizacionais em interface com cultura”, de Marlene Marchiori, traz discussões das mais pertinentes sobre cultura e identidade ao campo de estudos organizacionais. A proposta é extrapolada e a coletânea de artigos trabalha de forma contundente com as relações cultura/indivíduo; identidade/indivíduo; cultura/organização; identidade/organização; cultura/identidade e; cultura/identidade/sociedade. E, ainda que o título sugira a interface apenas com cultura, todos os capítulos corroboram com a relação dialética estabelecida entre a constituição das identidades e das culturas, sejam elas individuais, coletivas ou organizacionais. A identidade e cultura são tratadas tanto no âmbito prático quanto discursivo, tanto para o âmbito da constituição pelos indivíduos quanto da imposição pela organização, discute seus aspectos visíveis-práticos e os “invisíveis”-simbólicos. É uma abertura de visão sobre as duas temáticas, identidade e cultura, que é apresentada no livro: novas perspectivas e diversos olhares sobre a interpretação das temáticas.


Palavras-chave


Cultura; Identidade; Estudos Organizacionais.

Texto completo:

PDF

Referências


ALBERT, S.; WHETTEN, D. Organizational identity. In: CUMMINGS, L. L.; STAW, B. M. (ed.). Research in organizational behavior. Greenwich: JAI Press, 1985. p. 179-229.

ALCADIPANI, R.; CRUBELLATE, J. M. Cultura Organizacional: Generalizações Improváveis e Conceituações Imprecisas. Revista de Administração de Empresas, São Paulo, v. 43, n. 2, p. 64-77, abr./jun. 2003.

BAUER, M. A. L. A construção social da identidade: um estudo nas organizações de agricultura ecológica em duas regiões do RS. 2004. 190 f. Dissertação (Mestrado em Administração) – Escola de Administração, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2004.

CARRIERI, A. P.; PAULA, A. P. P.; DAVEL, E. Identidade nas organizações: múltipla? Fluida? Autônoma? Organizações & Sociedade, Salvador, v. 15, n. 45, p. 127-144, Abril/Junho 2008.

EAGLESTON, T. A ideia de cultura. São Paulo: UNESP, 2005. 205 p.

HOFSTEDE, G. Cultures and organizations: software of the mind. New York : McGraw-Hill, 1991. 576 p.

MARTIN, J. Organizational Culture: mapping the terrain. London: Sage, 2002. 415 p.

MARTIN, J. Cultures in organizations: three perspectives. Oxford: Oxford University Press, 1992. 244 p.

RUIZ, C. M. M. B. Os labirintos do poder: o poder (do) simbólico e os modos de subjetivação. Porto Alegre: Escritos Editora, 2004. 280 p.

SPINK, M. J.; MEDRADO, B. Produção de sentidos no cotidiano: uma abordagem teórico-metodológica para análise das práticas discursivas. In: SPINK, M. J. (Org). Práticas discursivas e produção dos sentidos no cotidiano: aproximações teóricas e metodológicas. 3. ed. São Paulo: Cortez, 2004. p. 41-61.

TRICE, H. M; BEYER, J. M. Studying organizational cultures through rites and ceremonials. The Academy of Management Review, v.9, n.4, p.653-669, 1984.

VAN RIEL, C. B. M. Principles of corporate communication. London: Academic Service and Prentice Hall, 1995. 239 p.




DOI: http://dx.doi.org/10.25113/farol.v1i2.2616

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais



Classificação de Periódicos Qualis/CAPES (2013-2016)

 

Administração Pública e de Empresas, Ciências Contábeis e Turismo – B4
Biotecnologia – C
Ciências Ambientais – B4
Comunicação e Informação – B5
Educação – C
Engenharias III – B5
Geografia – B4
Interdisciplinar – B4
Planejamento Urbano e Regional / Demografia – B4
Psicologia – B3
Sociologia – B5


ISSN 2358-6311

 

Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-Não Comercial 4.0 Internacional