ORGANIZAÇÃO E PRÁXIS LIBERTADORA

Grupo de pesquisa Organização e Práxis Libertadora

Resumo


Este artigo apresenta a trajetória e a produção acumulada pelo grupo de pesquisas Organização e Práxis Libertadora, localizado na Escola de Administração da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) e em seu Programade Pós-Graduação (PPGA). Nesta trajetória, percorremos caminhos teóricos e empíricos orientados pela busca de um conhecimento organicamente vinculado às práticas organizacionais de movimentos e grupos comprometidos com a libertação. Neste processo, foi necessário questionar as definições conceituais dos Estudos Organizacionais, ampliando sua abrangência pela reflexão acerca das lutas sociais e referenciais que permitem compreender os movimentos da sociedade em seu devir histórico. Atualmente estamos fazendo um balanço do nosso trabalho, tendo encerrado um ciclo no qual nos debruçamos sobre o tema do desenvolvimento, uma agenda imposta pelas lutas sociais. Dentre as direções que se insinuam, está a necessidade de se aprofundar reflexões sobre aquilo que estamos chamando de uma “crítica à economia política da organização”.


Palavras-chave


Práticas organizacionais; Movimentos sociais; Estudos organizacionais; Crítica; Libertação.

Texto completo:

PDF

Referências


ABDALA, P. R. Organização da “nova classe média”, dialética do consumo e superexploração renovada do trabalho. 2014. 154 f. Tese (Doutorado em Administração) – Escola de Administração, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2014.

AMARAL, A. S. Os grandes projetos de infraestrutura com participação do Brasil, no país e na América do Sul: uma análise a partir da teoria do subimperialismo. 2013. 162 f. Dissertação (Mestrado em Administração) – Escola de Administração, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2013.

BELLO, W. Los movimientos sociales organizan contra la destrucción ambiental de empresas: los casos de Gualeguaychú y Termas de Río Hondo. In: SEMINÁRIO EN LA UNIVERSIDAD NACIONAL DE SANTIAGO DEL ESTERO (UNSE), 2006, Argentina, Anales... Argentina: UNSE, 2006.

BENJAMIN, W. Obras escolhidas: Charles Baudelaire, um lírico no auge do capitalismo. São Paulo: Brasiliense, 1989. 272 p.

BLOCH, E. O princípio esperança. Rio de Janeiro: Contraponto /UERJ, 2006. v. 2. 480 p.

BRECHT, B. Teatro dialético. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1967. 283 p.

DELEUZE, G. Espinosa: filosofia prática. São Paulo: Escuta, 2002. 144 p.

DORNELAS CAMARA, G. Os programas sociais de combate à pobreza na Argentina e no Brasil: uma abordagem da filosofia da libertação. 2014. 220 f. Tese (Doutorado em Administração) – Escola de Administração, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2014.

DORNELAS CAMARA, G. Poverty eradication in Brazil: an analysis from the perspective of the Philosophy of Liberation. In: INTERNATIONAL CONFERENCE IN CRITICAL MANAGEMENT STUDIES, 8th, 2013, Manchester. Proceedings… Manchester: CMS, 2013a.

DORNELAS CAMARA, G. Elementos fundamentais da ética da libertação para a produção do consenso dos oprimidos. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE ESTUDOS ORGANIZACIONAIS, I, 2013, Fortaleza. Anais... Fortaleza: SBEO, 2013b.

DORNELAS CAMARA, G.; MISOCZKY, M. C. Os programas sociais de combate à pobreza na Argentina e no Brasil: abordagens teóricas e repercussões. In: ENCUENTRO INTERNACIONAL DE ECONOMÍA POLÍTICA Y DERECHOS HUMANOS: ARGENTINA Y AMÉRICA LATINA. DILEMAS DE UNA NUEVA ETAPA ECONÓMICA, POLÍTICA Y SOCIAL. La Economia a Servicio de los Pueblos, VI, 2012. Anales... Buenos Aires: AMPM, 2012.

DUSSEL, E. A produção teórica de Marx: um comentário aos Grundrisse. São Paulo: Expressão Popular, 2012. 394 p.

DUSSEL, E. 20 teses de política. Buenos Aires/São Paulo: CLACSO/Expressão Popular, 2007. 184 p.

DUSSEL, E. La esfera material de la política, los momentos ecológico, econômico y cultural. Disponível em: http://www.afyl.org/fp17.pdf. Acesso em: 20 dez. 2005.

DUSSEL, E. Ética de la liberación (Hacia el ‘punto de partida’ como ejercicio de la ‘razón’ ética originaria)’. In: APEL, K.-O.; DUSSEL, E. (Ed.). Ética del discurso y ética de la liberación. Madrid: Trotta, 2004a. p. 269-290.

DUSSEL, E. Hacia una arquitectónica de la ética de la liberación. In: APEL, K.-O.; DUSSEL, E. (Ed.). Ética del discurso y ética de la liberación. Madrid: Trotta, 2004b. p. 339-366.

DUSSEL, E. Ética da libertação: na idade da globalização e da exclusão. Petrópolis: Vozes, 2002. XXX p.

DUSSEL, E. Hacia uma filosofia política crítica. Barcelona: Desclée de Brouwer, 2001. xxx p.

FAÉ, R. Os discursos sobre desenvolvimento como recursos político-estratégicos: o Banco Mundial como organização central no campo discursivo do desenvolvimento. 2009. 263 f. Tese (Doutorado em Administração) – Escola de Administração, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2009.

FERREIRA, J. A democracia no Brasil (1945-1964). São Paulo: Atual, 2006. 136 p.

FONTES, V. Novas encruzilhadas e velhos fantasmas. In: CASTELO, R. (Org.). Encruzilhadas da América Latina no século XXI. Rio de Janeiro: Pão e Rosas, 2010. p. 13-19.

FREIRE, P. Pedagogía do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1994. 256 p.

FLORES, R. K. Contra-hegemonia e a reestatização dos serviços de água e saneamento no Uruguai e na Província de Santa Fé (Argentina). 2007. 105 f. Dissertação (Mestrado em Administração) – Escola de Administração, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2007.

FLORES, R. K. Uruguai: a luta pela água como um bem comum. In: MISOCZKY, M. C.; FLORES, R. K.; MORAES, J. (Org.). Organização e práxis libertadora. Porto Alegre: Dacasa, 2010. p. 107-130.

FLORES, R. K. Dos antagonismos na apropriação capitalista da água à sua concepção como bem comum. 2013. 219 f. Tese (Doutorado em Administração) – Escola de Administração, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2013.

FLORES, R. K.; MISOCZKY, M. C. Participação no gerenciamento de bacia hidrográfica: o caso do Comitê Lago Guaíba. Revista de Administração Pública, Rio de Janeiro, v. 42, n. 1, p. 109-132, jan./fev. 2008.

GRAMSCI, A. Concepção dialética da história. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1978. 342 p.

HARVEY, D. Rebel cities: from the right to the cities to the urban revolution. New York: Verso, 2012. 187 p.

HARVEY, D. The enigma of capital and the crisis of capitalism. Oxford: OUP, 2010. 256 p.

HARVEY, D. La breve historia del neoliberalismo. Madrid: Akal, 2007. 256 p.

HARVEY, D. A produção capitalista do espaço. São Paulo: Annablume, 2005. 252 p.

IANNI, O. O colapso do populismo no Brasil. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1975. 192 p.

IASI, M. As metamorfoses da consciência de classe: o PT entre a negação e o consentimento. São Paulo: Expressão Popular, 2012. 582 p.

KATZ, C. Socialismo ou novo-desenvolvimentismo? In: CASTELO, R. (Org.). Encruzilhadas da América Latina no século XXI. Rio de Janeiro: Pão e Rosas, 2010. p. 57-80.

LANDER, E. Ciências sociales: saberes coloniales y eurocéntricos. In: LANDER, E. (Org). Colonialidad del saber. Buenos Aires, CLACSO, 2004. p. 11-40

LEÓN, I. (Ed.) La outra América en debate: aportes del I Foro Social Américas. Quito: FSA, 2006. 493 p.

LÓPEZ, E.; VÉRTIZ, F. Capital transnacional y proyectos nacionales de desarrollo en América Latina: las nuevas lógicas del extractivismo neodesarrolista. Herramienta: Debate y Crítica Marxista, Buenos Aires, n. 50, p. 21-35, Jul. 2012.

LÖWY, M. Figures du marxisme wébérien. Actuel Marx, Paris, n. 27, p. 83-94, 1995.

LUXEMBURGO, R. Greve de massas, partido e sindicatos. In: BOGO, A. (Org.) Teoria da organização política: Marx, Lênin, Rosa, Mao. São Paulo: Expressão Popular, 2005. p. 241-339.

MACHADO, A. M. N., BIANCHETTI, L. (Des)fetichização do produtivismo acadêmico: desafios para o trabalhador-pesquisador. Revista de Administração de Empresas, São Paulo, v. 51, n. 3, p. 244-254, maio/jun. 2011.

MARIÁTEGUI, J. C. A reforma universitária. In: SADER, E. (Org.). Cadernos do pensamento crítico latino-americano. São Paulo: Expressão Popular, 2008. 194 p.

MARINI, R. M. Dialéctica de la dependência, 1991. Disponível em: http://www.marini-escritos.unam.mx/004_dialectica_es.htm. Acesso em: 24 ago. 2014.

MARINI, R. M. A crise do desenvolvimentismo. In: CASTELO, R. (Org.). Encruzilhadas da América Latina no século XXI. Rio de Janeiro: Pão e Rosas, 2010. p. 103-118.

MARINI, R. M. Subdsenvolvimento e revolução. Florianópolis: Insular, 2012. 272 p.

MARX, K. Outlines of the critique of political economy. London: Penguin, 1973. Disponível em: https://www.marxists.org/archive/marx/works/1857/grundrisse/. Acesso em: 30 ago. 2014.

MARX, K. Capital: a critique of political economy. London: Penguin, 1976. v. 1. 336 p.

MARX, K. Capital: a critique of political economy. London: Penguin, 1992. v. 2. 618 p.

MAZZEO, M. Qué [no] hacer. Buenos Aires: Antropofagia, 2005. 128 p.

MÉSZÁROS, I. Para além do capital. Campinas: Boitempo, 2002. xxx p.

MÉSZÁROS, I. O poder da ideologia. Campinas: Boitempo, 2004. xxx p.

MISOCZKY, M. C. Organization and resistance: reflections from the South. In: EUROPEAN GRUPO FOR ORGANIZATION STUDIES COLLOQUIUM, 21th, 2005, Berlin. Proceedings… Berlin: EGOS 2005.

MISOCZKY, M. C. Editorial: Vozes da dissidência e a organização de lutas e resistências na América Latina. Ephemera, Warwick, v. 6, n. 3, p. 224-239, Aug. 2006.

MISOCZKY, M. C. Uma homenagem aos atuadores, uma aprendizagem sobre a prática libertadora. In: VECCHIO, R. A utopia em ação: Ói Nóis Aqui Traveiz. Porto Alegre: Terreira da Tribo, 2007. p. 15-16.

MISOCZKY, M. C. World visions in dispute in contemporary Latin America. Organization, London, v. 18, n. 3, p. 345-363, May 2011.

MISOCZKY, M. C.; BÖHM, S. Resistindo ao desenvolvimento neocolonial: a luta do povo de Andalgalá contra projetos megamineiros. Cadernos EBAPE.BR, Rio de Janeiro, v. XI, n. 2, p. 311-339, jun. 2013.

MISOCZKY, M. C.; BÖHM, S. The oppressed organize against mega-mining in defence of Famatina: the ethics of liberation of Enrique Dussel. In: RHODES; K.; PULLEN, A. (Ed.). Handbook of organization ethics. London: Sage, no prelo.

MISOCZKY, M. C.; DORNELAS CAMARA, G.; CARBONARI, E. Ecos do povo em tempos de individualismo consumista. In: GURGEL, C.; MARTINS, P. E. (Org.). Contribuições do pensamento Social brasileiro para o estudo da administração pública. Niterói: UFF, 2012. p. 303-322.

MISOCZKY, M. C.; FLORES, R. K.; BÖHM, S. A práxis da resistência e a hegemonia da organização. Organizações & Sociedade, Salvador, v. 15, n. especial, p. 181-194, 2008.

MISOCZKY, M. C.; FLORES, R. K.; GOULART, S. Estudos organizacinoais e movimentos sociais: o que sabemos? Para onde vamos? Cadernos EBAPE.BR, Rio de Janeiro, v. 6, n. 3, p. 1-14, set. 2008.

MISOCZKY, M. C.; GOULART, S.; MORAES, J. A ditadura do discurso do desenvolvimento em questão: das críticas proscritas a concepções emergentes. In: ENCONTRO DE ESTUDOS ORGANIZACIONAIS, VI, 2010, Florianópolis. Anais... Florianópolis: ANPAD, 2010.

MISOCZKY, M. C.; IMASATO, Takeyoshi. The Brazilian sub-imperialist strategy of regional insertion. Critical Perspectives on International Business, Bingley. (no prelo)

MISOCZKY, M. C.; MORAES, J. Práticas organizacionais em escolas de movimentos sociais. Porto Alegre: Dacasa, 2011.

MISOCZKY, M. C.; OLIVEIRA, R. P. ; PASSOS, R. P. Reflexões sobre a autogestão a partir da experiência da cidade das cidades. Organizações & Sociedade, Salvador, v. 11, p. 183-198, 2004.

PRESTES MOTTA, F. C. Burocracia e autogestão: a proposta de Proudhon. São Paulo: Brasiliente, 1981. 170 p.

QUIJANO, A. Colonialidad y modernidad-racionalidad. In: BONILLA, H. (Ed.). Los conquistados: 1492 y la población indígena de las Américas.Quito: Flacso-Tercer Mundo, 1992. p. 437-449.

QUIJANO, A. José Carlos Mariátegui y Europa: el otro lado del descubrimiento. Lima: Empresa Editora Amauta, 1993. 3905 p.

RAUBER, I. A transformação social en el siglo XXI: camino de reformas o de revolución. Pasado y Presente XXI, [s.l.], p. 1-26, Jun. 2004.

REY, M. T. La autonomia como mito y como posibilidade, 2003. Disponível em: hhtp://argentina.indymidia.org/print.php?id=136630. Acesso em: 31 out. 2005.

RIBEIRO, D. A universidade necessária. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1969. xxx p.

ROSTOW, W. W. Etapas do desenvolvimento econômico. Rio de Janeiro: Zahar, 1961. xxx p.

SAMPAIO JR., P. A. Imperialismo, reversão neocolonial e revolução na América Latina. In: CASTELO, R. (Org.). Encruzilhadas da América Latina no século XXI. Rio de Janeiro: Pão e Rosas, 2010. p. 35-56.

SOLÉ, A. L’entreprise: une invention Latine? In: COLÓQUIO INTERNACIONAL SOBRE PODER LOCAL, II, 2003, Salvador. Anais... Salvador: NEPOL/UFBA, 2003.

SVAMPA, M. Pensar el desarrollo desde América Latina. In: MASSUH, G. (Ed.) Renunciar al bien común: extractivismo y (pos)desarrollo en América Latina. Buenos Aires: Mardulce, 2012. p. 1-25

TEVES, R. P. El lugar de la utopía: aportes de Aníbal Quijano sobre cultura y poder. In: MATO, D. (Coord.). Estudios y otras prácticas intelectuales latinoamericanas en cultura y poder. Caracas: Clacso, 2002. p. 225-234.

TISCHLER, S. Tiempo y emancipación: Mijail Bajtin y Walter Benjamin en la Selva Lacandona. In: VEDDA, M. (Comp. ). Constelaciones dialécticas: tentativas sobre Walter Benjamin. Buenos Aires: Herramienta Edicions, 2008. p. 105-144.

TRAGTENBERG, M. Sobre educação, política e sindicalismo. 3. ed. São Paulo: UNESP, 2004. 216 p.

TRAGTENBERG, M. Burocracia e ideologia. São Paulo: UNESP, 2006. xxx p.

VÁSQUEZ, A. S. Filofosofia da práxis. Buenos Aires/São Paulo: CLACSO/Expressão Popular, 2007. 488 p.

VECCHIO, R. A utopia em ação: Ói Nóis Aqui Traveiz. Porto Alegre: Terreira da Tribo, 2007. 120 p.

VIEIRA PINTO, Á. Sociologia dos países subdesenvolvidos: introdução metodológica ou prática metodicamente desenvolvida da ocultação dos fundamentos sociais do “vale das lágrimas”. Rio de Janeiro: Contraponto, 2008. 432 p.

VIEIRA PINTO, Á. Ideologia e desenvolvimentismo nacional. Rio de Janeiro: ISEB, 1956. 356 p.

WEBER, M. Economia y sociedad. México: FCE, 1997. 1245 p.

WEFFORT, F. C. O populismo na política brasileira. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1978. 181 p.




DOI: http://dx.doi.org/10.25113/farol.v1i1.2610

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais



Classificação de Periódicos Qualis/CAPES (2013-2016)

 

Administração Pública e de Empresas, Ciências Contábeis e Turismo – B4
Biotecnologia – C
Ciências Ambientais – B4
Comunicação e Informação – B5
Educação – C
Engenharias III – B5
Geografia – B4
Interdisciplinar – B4
Planejamento Urbano e Regional / Demografia – B4
Psicologia – B3
Sociologia – B5


ISSN 2358-6311

 

Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-Não Comercial 4.0 Internacional