RELAÇÕES DESUMANAS: REFLEXÕES SOBRE “HUMANISMO” E CONTROLE NA RELAÇÃO INDIVÍDUO-ORGANIZAÇÃO

Guilherme Lima Moura

Resumo


Este ensaio discute a racionalidade que embasa o que se tem freqüentemente chamado na teoria organizacional, e entre gestores, de “Humanismo”. Para tal, expõe algumas definições relevantes sobre a questão do controle organizacional, destacando sua dimensão “super-ocultada” pelos processos de mediação psicológica na relação das grandes empresas com seus funcionários. A discussão segue, com a descrição da concepção de Alberto Guerreiro Ramos sobre razão substantiva, contraposta à razão instrumental, esta o padrão de ação da sociedade regida pelo mercado. A partir daí, o texto desenvolve argumentos que apontam para a inexistência de humanismo na relação indivíduo-organização. O artigo termina por concluir que é conceitualmente impróprio falar-se em “Humanismo Organizacional”, uma vez que as idéias que tal expressão sugere não se originam numa “teoria do homem” e numa racionalidade substantiva, mas numa lógica instrumental e numa estratégia de controle dos chamados “recursos humanos”.


Palavras-chave


Humanismo; Controle; Relação indivíduo-organização

Texto completo:

PDF

Referências


AKTOUF, Omar. Administração e teorias das organizações contemporâneas: rumo a um humanismo-radical crítico? Organizações e Sociedade, v.8, n.21, p.13-34, 2001.

BRONZO, M.; GARCIA, F. C. As bases epistemológicas do pensamento administrativo convencional e a crítica à teoria das organizações. In: RODRIGUEZ, S. B.; CUNHA, M. P. (org.). Estudos organizacionais: novas perspectivas na administração de empresas. São Paulo: Iglu , 2000.

CARVALHO, Cristina A. Poder, conflito e controle nas organizações modernas. Série Apontamentos (25), Maceió: Editora da UFAL, 1998.

CARVALHO, Rosimeri. Controle Organizacional: evolução, transformações e perspectivas. In: ENCONTRO DE ESTUDOS ORGANIZACIONAIS, 2., 2002, Recife. Anais... Recife: Observatório da Realidade Organizacional: PROPAD/UFPE: ANPAD, 2002.

CRUBELLATE, J. M. “Remendo novo em roupa velha”: controle social normativo em organizações econômicas e a emergência de novos modelos estruturais. In: ENCONTRO DE ESTUDOS ORGANIZACIONAIS, 2., 2002, Recife. Anais... Recife: Observatório da Realidade Organizacional : PROPAD/UFPE : ANPAD, 2002. 1 CD.

DELLAGNELO, Eloise; MACHADO-DA-SILVA, Clóvis. Literatura sobre novas formas organizacionais: onde se encontram as evidências empíricas de ruptura com o modelo burocrático de organizações? XXIV Encontro Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Administração (ENANPAD). Anais… Recife: ANPAD, 2000.

FREITAS, M. E. Cultura organizacional: identidade, sedução e carisma? Rio de Janeiro: FGV, 1999.

GRANDORI, Anna. Inventing effective organization forms. 11th EGOS Colloquium (European Group for Organizational Studies). “The production and diffusion of managerial and organizational knowledge”. Paris, 6-8 de julho, 1993.

GUERREIRO RAMOS, Alberto. A nova ciência das organizações: uma reconceitualização da riqueza das nações. São Paulo: FGV, 1981.

HASSARD, John. Imagens do tempo no trabalho e na organização. In: CLEGG, S.; HARDY, C.; NORD, W. (orgs.). Handbook de estudos organizacionais. Volume II. São Paulo: Atlas, 2001. Organizadores da Edição Brasileira: CALDAS, M., FACHIN, R., FISCHER, T.

MEDEIROS, E. G.; ENDE, M. V.; SILVA, S. O. da. Cultura nas organizações. Disponível em: . Acesso em: 26 dez. 2003.

PAGÈS, Max; et al. O Poder das organizações. São Paulo: Atlas, 1993.

SANTOS, Boaventura de S. Pela mão de Alice: o social e o político na pós-modernidade. 8. ed. São Paulo: Cortez, 2001.

SILVA, R. C. da. Controle organizacional, cultura e liderança: evolução, transformações e perspectivas. In: ENCONTRO DE ESTUDOS ORGANIZACIONAIS, 2., 2002, Recife. Anais eletrônicos... Recife: Observatório da Realidade Organizacional : PROPAD/UFPE : ANPAD, 2002. 1 CD.

TENÓRIO, Fernando G. O trabalho numa perspectiva teórico-crítica: um exercício conceitual. Organizações e Sociedade, v.4, n.10, p.59-74, 1997.

VIEIRA, Marcelo M. F.; MISOCZKY, Maria C. Instituições e Poder: explorando a possibilidade de transferências conceituais. In: ENCONTRO DE ESTUDOS ORGANIZACIONAIS, 2000, Curitiba. Anais... Curitiba: ANPAD, 2002.

WEBER, Max. Os fundamentos da organização burocrática: uma construção do tipo ideal. In: CAMPOS, Edmundo (org.). Sociologia da burocracia. 4. ed. Rio de Janeiro: Zahar, 1978.




DOI: http://dx.doi.org/10.25113/farol.v3i6.2550

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2016 Farol - Revista de Estudos Organizacionais e Sociedade

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

Classificação de Periódicos Qualis/CAPES (2013-2016)

 

Administração Pública e de Empresas, Ciências Contábeis e Turismo – B4
Biotecnologia – C
Ciências Ambientais – B4
Comunicação e Informação – B5
Educação – C
Engenharias III – B5
Geografia – B4
Interdisciplinar – B4
Planejamento Urbano e Regional / Demografia – B4
Psicologia – B3
Sociologia – B5


ISSN 2358-6311

 

Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-Não Comercial 4.0 Internacional