A PRODUÇÃO CIENTÍFICA SOBRE LEAN HEALTHCARE: REVISÃO E ANÁLISE CRÍTICA

Palavras-chave: Produção Enxuta, Serviços de Assistência á Saúde, Revisão Sistemática

Resumo

Embora a produção enxuta tenha sido originada na indústria, tem-se observado um crescimento de sua aplicação em serviços, destacando-se os serviços de assistência à saúde, na qual a produção enxuta é conhecida como lean healthcare. Este artigo tem como objetivo realizar uma revisão crítica da literatura sobre lean healthcare. A abordagem metodológica foi a revisão sistemática e as bases de dados foram consultadas pela plataforma Web of Science. A busca resultou num portfólio de 61 artigos publicados entre os anos de 2000 a 2016. Constatou-se um predomínio de pesquisas empírico descritivas, as quais focaram os resultados em detrimento do método utilizado para implementação da produção enxuta. As técnicas enxutas mais abordadas foram o mapeamento do fluxo de valor e o kaizen. Grande parte das publicações analisou a aplicação das técnicas enxutas nos processos de linha de frente, destacando-se os processos cirúrgicos e de emergência. Houve predominância de implementações pontuais e de caráter operacional ao invés de implementações sistêmicas e de caráter estratégico, abrindo um amplo leque de possibilidades para pesquisas futuras.

Biografia do Autor

Cláudia Fabiana Gohr, Universidade Federal da Paraíba
Mestrado e doutorado em Engenharia de Produção pela Universidade Federal de Santa Catarina. Professora do Departamento de Engenharia de Produção e do Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção da UFPB.
Tatyana Karla Oliveira Régis, Universidade Federal da Paraíba

Mestrado e Graduação em Engenharia de Produção pela UFPB.

Luciano Costa Santos, Universidade Federal da Paraíba

Doutor em Engenharia de Produção, Professor do Programa de Pós Graduação em Engenharia de Produção da UFPB.

Taíse Câmara Brito, Universidade Federal de São Carlos
Doutoranda do Programa de Pós-Graduçao em Engenharia de Produção da Universidade Federal de São Carlos, Mestrado e Graduação em Engenharia de Produção.
Marcella Crispim Sarmento, Texas A&M University
Graduação em Engenharia de Produção e Mestrado em Industrial Engineering pela Texas A&M University.
Publicado
2017-08-08
Seção
Artigos