GESTÃO DO LIXO ELETRÔNICO MÉDICO-HOSPITALAR EM HOSPITAIS PÚBLICOS FEDERAIS

Resumo

O avanço tecnológico e a obsolescência programada, combinados com o elevado consumo de equipamentos eletrônicos, produzem uma grande quantidade de resíduos desses produtos. Como, ao ser descartado inadequadamente, esse e-lixo pode ser um risco ao homem e ao meio ambiente, a preocupação com sua destinação tem aumentado junto à sociedade e aos governos. Este estudo tem por objetivo verificar a gestão do lixo eletrônico médico hospitalar em hospitais públicos federais do Rio de Janeiro. Foi realizada uma pesquisa qualitativa, com finalidade descritiva, utilizando pesquisa de campo. Os resultados apontam que: a maioria dos hospitais estudados utiliza os equipamentos o máximo possível e só se desfaz deles quando não há mais possibilidade de mantê-los; a doação dos equipamentos é o desfazimento mais comum; os entraves burocráticos são o maior obstáculo; e os hospitais de pesquisa, em comparação com os assistenciais, investem em aparelhos tecnologicamente mais modernos. Para trabalhos futuros, é recomendado fazer uma análise mais abrangente sobre a gestão de outros tipos de equipamentos eletrônicos, com a finalidade de verificar se as dificuldades são as mesmas

https://doi.org/10.21450/rahis.v15i4.5097
PDF