Subdesenvolvimento Periférico: a compreensão estrutural no limiar da idiossincrasia econômica

  • Eduarda Moura Pereira Universidade Federal de Minas Gerais
Palavras-chave: Dependência, Estrutura, Periferia, Subdesenvolvimento

Resumo

O presente trabalho objetiva-se a delinear uma compreensão do subdesenvolvimento latino-americano a partir de sua perspectiva estrutural e dependente. Para tanto, são recuperadas algumas das contribuições literárias à teoria do desenvolvimento, e estabelecidos os impedimentos estruturais – tanto econômicos, quanto sociais e internacionais – à superação da subordinação periférica. Nesse sentido, iniciaremos com uma explanação geral sobre a derrocada dos pressupostos clássicos no início do século XX, para em seguida examinarmos o aporte teórico concedido através da literatura do Imperialismo, da Teoria da Dependência, e da abordagem Cepalina, e suas significâncias na fundamentação das análises estruturais. Finalmente, faz-se um diagnóstico da especificidade dessas estruturas nos países dependentes, à luz da realidade brasileira, a fim de apreender o subdesenvolvimento em sua totalidade, para além das causalidades de natureza puramente econômica.  

Referências

BARAN, Paul A. Sobre a economia política do atraso. Rio de Janeiro: Contraponto: Centro Internacional Celso Furtado, p. 107-122. 2010.

BRESSER-PEREIRA, Luiz C. As três interpretações da dependência. São Paulo: Perspectivas, v.38, p. 17-48, 2010.

CORRÊA, Hugo F. S. A Nova Cepal e o “mal-estar” social na América Latina: uma alternativa de desenvolvimento?. Dissertação (mestrado) – Universidade Federal de Uberlândia, Programa de Pós-Graduação em Economia. 2007.

FURTADO, Celso. Teoria e política do desenvolvimento econômico. São Paulo: Abril Cultural, 1983.

HIDALGO, Cesar A. The Product Space Conditions the Devlopment of Nations. Science 317, 482. 2007.

KUZNETS, Simon. Os países subdesenvolvidos e a fase pré-industrial nos países avançados: uma tentativa de comparação. Rio de Janeiro: Contraponto: Centro Internacional Celso Furtado, p. 163-180. 2010.

LÊNIN, Vladimir I. O Imperialismo, Etapa Superior do Capitalismo. Edição eletrônica. Campinas: 2011.

LOVE, Joseph L. Las fuentes del estructuralismo latino-americano. Dasarrollo Económico, Vol. 36, No. 144, pp. 391-402. 1996.

LOVE, Joseph L. The Latin American Contribution to Center-Periphery Perspectives: History and Prospect. Working Papers in Technology Governance and Economic Dynamics no. 10. 2007.

MEIER, Gerald M. O problema do desenvolvimento econômico limitado. Rio de Janeiro: Contraponto: Centro Internacional Celso Furtado, p. 87-106. 2010.

MISSIO, Fabrício J; JAYME JR, Frederico G. Estruturalismo e Neoestruturalismo: velhas questões, novos desafios. Porto Alegre: Análise Econômica, ano 30, No. 57, p. 205-230. 2012.

PREBISCH, Raúl. El desarrollo económico de la América Latina y sus principales problemas. Santiago, Chile: CEPAL, 1949.

RICARDO, David. Princípios de Economia, Política e Tributação. São Paulo: Editora Nova Cultura, 1996.

ROSTOW, Walt W. A decolagem para o crescimento autossustentado. Rio de Janeiro: Contraponto: Centro Internacional Celso Furtado, p. 181-214. 2010.

SCHUMPETER, Joseph A. Capitalismo, Socialismo e Democracia. Rio de Janeiro: Editora Fundo de Cultura, 1961.

SANTOS, Theotônio dos. A Teoria da dependência: balaços e perspectivas. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2000.

WRIGHT, Erik O. Compass Points: Towards a Socialist Alternative. New Left Review, 41 93-124, 2006.
Publicado
2017-11-28
Seção
Artigos