Teoria da Regulação e Crise do Fordismo

Ana Carolina Bottega de Lima, Ivan Prates Sternick

Resumo


Este trabalho trata da crise do fordismo, tendo como base a teoria das crises elaborada pela Teoria da Regulação, abordando também as origens e os fundamentos dessa escola. No contexto do fim dos anos de crescimento capitalista vigoroso, que se deu na década de 1970, a Teoria da Regulação emergiu como uma nova corrente do pensamento econômico, construindo uma análise do processo e da dinâmica de acumulação capitalista. Em particular, essa escola se consolidou na teoria econômica a partir da elaboração de sua teoria das crises. Assim, forneceu interpretações alternativas a crise dos anos 1970, se contrapondo às explicações da teoria econômica tradicional, ao considerar a crise como um fenômeno endógeno.  Partindo dessa proposta para compreender a crise do fordismo, encontrou-se uma teoria com amplo potencial de explicação, e a partir de seu estudo, pode-se obter uma compreensão mais ampla dos fenômenos econômicos. 


Palavras-chave


Teoria da Regulação; teoria das crises; crise do fordismo.

Texto completo:

PDF

Referências


AUGUSTO, A. G. Fundamentos metodológicos da Abordagem da Regulação: origem histórica e questões fundadoras. Ensaios FEE, Porto Alegre, v. 25, n. 2, p. 427-442, out. 2004.

BOYER, R. A Teoria da Regulação: uma análise crítica. São Paulo: Nobel, 1990.

BOYER, R. Teoria da Regulação: os fundamentos. São Paulo: Estação Liberdade, 2009.

CASTRO, A. B. O capitalismo ainda é aquele. São Paulo: Forense Universitária, 1979.

FERREIRA, C. G. O “Fordismo”, sua Crise e Algumas Considerações sobre o Caso Brasileiro. Nova Economia, vol. 7, n. 2, Dep. de Ciências Econômicas da UFMG, 1997, p. 165-201.

GLYN, A et al. The Rise and Fall of the Golden Age. Em: MARGLIN, S. A.; SCHOR, J. B. (eds.) The Golden Age of Capitalism. Clarendon Press, p. 39-125, 1990.

HOBSBAWM, E. J. Era dos Extremos: o breve século XX, 1914-1991. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.

KALECKI, M. Teoria da Dinâmica Econômica: ensaio sobre as mudanças cíclicas e a longo prazo da economia capitalista. São Paulo: Abril Cultural, 1983[1954].

LIPIETZ, A. Miragens e milagres: problemas da industrialização no Terceiro Mundo. São Paulo: Nobel, 1988.

LIPIETZ, A. As relações capital-trabalho no limiar do século XXI. Ensaios FEE, Porto Alegre, v. 12, n. 1, p. 101-130, p. 1991.

LUCAS Jr., R. Expectations and neutrality of money. Journal of Economic Theory, v. 4, n.2, p.103-24, abr. 1972.

MANKIW, N. G. Small menu costs and large business cycles: a macroeconomic model of monopoly. Quarterly Journal of Economics, v. 100, p. 529-39, mai. 1985.

NASCIMENTO, E. P. Notas a respeito da Escola Francesa da Regulação. Revista de Economia Política, v. 13, n. 2 (50), p.120-136, abr./jun. 1993.

POSSAS, M. L. O projeto teórico da “escola da regulação”: alguns comentários. Novos Estudos CEBRAP, n. 21, São Paulo, p. 195-212, jul. 1988.

MARGLIN, S. A. Lessons of Golden Age: an overview. Em: MARGLIN, S. A.; SCHOR, J. B. (eds.) The Golden Age of Capitalism. Clarendon Press, p. 1-38, 1990.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 Revista Multiface Online

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.