Banking competition in the Brazilian economy

José Angelo Divino, Renan Said Silva

Resumo


Este artigo aplica o modelo Panzar-Rosse para avaliar o nível de concorrência no setor bancário brasileiro. A amostra cobre 62 bancos no período de julho de 1994 a fevereiro de 2012. É dada especial atenção à presença de variáveis de escala na regressão, à existência de componentes sazonais nas séries temporais financeiras e à normalização do preço dos insumos bancários. A inclusão de variáveis de escala no modelo e a presença de sazonalidade nos dados tendem a indicar erroneamente uma estrutura de mercado competitiva. Contrariamente à literatura, no modelo ajustado sazonalmente sem variáveis de escala, a estatística H indica que os bancos em geral e subgrupos específicos não são competitivos no mercado. Enquanto os grandes bancos possuem alto poder de mercado, os bancos públicos têm poder de mercado intermediário, compatível com os vários tipos de interferência política em suas decisões de gestão.


Palavras-chave


setor bancário; estrutura de mercado; estatística H; dados em painel.

Texto completo:

PDF (English)


Direitos autorais 2018 Nova Economia

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.


Patrocínio:

BDMG

 

 

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.