O ORGANIZAR AMPLIADO DE PRÁTICAS COTIDIANAS

Simony Rodrigues Marins, Ana Silvia Rocha Ipiranga

Resumo


Utilizando-se do aporte teórico das práticas cotidianas de Michel de Certeau, este estudo buscou compreender o organizar ampliado do cotidiano de uma Escola e Produtora de Fotografia. A Escola localiza-se nos limiares dos bairros Centro e Praia de Iracema da cidade de Fortaleza. A metodologia desenvolveu-se segundo uma inspiração etnográfica. Entre a Escola e os espaços apropriados pelos bairros nos quais transita foram identificadas uma malha de práticas de circunvizinhança física, cultural e funcional. Observou-se a ampliação do organizar a partir de práticas que apropriam espaços mistos que se unem, através das passagens pelo outro, tornando contíguos os espaços públicos da rua e dos bairros a partir do habitáculo da Escola. Este cotidiano ampliado se caracterizou, concomitantemente, por práticas do tipo táticas e estratégicas, sendo, contudo, predominantes àquelas do tipo tático. 


Palavras-chave


Prática; Espaço; Fronteiras; Bairros; Organizações

Texto completo:

PDF

Referências


Achutti, L. (2004). Fotoetnografia da Biblioteca Jardim. Porto Alegre: Tomo Editorial/UFRGS.

Barreira, I. A. F. (2007). Usos da cidade: conflitos simbólicos em torno da memória e imagem de um bairro. Análise Social, XLII (182), 163-180.

Bauer, M. W., & Gaskell, G. (2002). Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som: um manual prático. Petrópolis: Vozes.

Bell, E., & Davison, J. (2013). Visual management studies: empirical and theoretical approaches. International Journal of Management Reviews, 15(2), 167-184.

Botelho, T. R. (2005). Revitalização de centros urbanos no Brasil: uma análise comparativa das experiências de Vitória, Fortaleza e São Luís. Eure, XXXI(93), 53-71.

Cavalcante, A. P. H. (2002). Metodologia de previsão de viagens a pólo gerador de tráfego de uso misto: estudo de caso para a cidade de Fortaleza. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Carrieri, A. P., Murta, I. B. D., Mendonça, M. C. N., Maranhão, C. M. S. A., & Silva, A. R. L. (2008). Os espaços simbólicos e a construção de estratégias no Shopping Popular Oiapoque. Cadernos EBAPE.BR, 6(2), 1-13.

Carrieri, A. P., Perdigão, D. A., & Aguiar, A. R. C. (2014). A gestão ordinária dos pequenos negócios: outro olhar sobre a gestão em estudos organizacionais. Revista de Administração, 49(4), 698-713.

Caufield, J. (1996). Visual sociology and sociological vision revisited. The American Sociologist, 27(3), 56-68.

Cavedon, N. R. (2003). Antropologia para administradores. Porto Alegre: UFRGS.

Certeau, M. (2013). A invenção do cotidiano: morar; cozinhar. Petrópolis: Vozes.

Certeau, M., Giard, L., & Mayol, P. (2011). A invenção do cotidiano: artes de fazer. Petrópolis: Vozes.

Cooper, R. (1989). Modernism, postmodernism and organizational analysis: the contribution of Jacques Derrida. Organization Studies, 10(4), 479-502.

Cooper, R., & Burrel, G. (1988). Modernism, postmodernism and organitional analysis: an introduction. Organization Studies, 9(1) 91-112.

Corradi, G., Gherardi, S., & Verzelloni, L. (2010). Through the practice lens: where is the bandwagon of practice-based studies heading? Management Learning, 41(3), 265-283.

Dale, K., &Burrell, G. (2008). The spaces of organisation & the organization of space: power, identity & materiality at work. Basingstoke: Palgrave MacMillan.

Dellagnelo, E. L., & Machado-Da-Silva, C. L. (2000). Novas formas organizacionais: onde se encontram as evidências empíricas de ruptura com o modelo burocrático de organizações? Organizações & Sociedade, 7(19), 19-33.

Duarte, M. F. (2015). Práticas de organizar na indústria criativa: a produção de um espetáculo de teatro musical em São Paulo - SP. Tese de Doutorado, Fundação Getúlio Vargas, São Paulo, SP, Brasil.

Duarte, M. F.; Alcadipani, R. (2016). Contribuições do organizar (organizing) para os estudos organizacionais. Organizações & Sociedade, 23(76), 57-72.

Eckert, C., & Rocha, A. L. C. (2003). Etnografia de rua: estudo de antropologia urbana. Iluminuras, 4(7), 101-127.

Feldman, M. S., & Orlikowski, W. J. (2011), Theorizing practice and practicing theory. Organization Science, 22(5), 1240–1253.

Figueiredo, M. D., & Cavedon, N. R. (2012). O espaço organizacional e o espaço da cidade: as diversas formas de apropriação física e simbólica de um centro comercial em Porto Alegre. Gestão e Sociedade, 6(15), 227-253.

Fischer, T. (1997). A cidade como teia organizacional: inovações, continuidades e ressonâncias culturais. Salvador da Bahia, cidade puzzle. Revista de Administração Pública, 31(3), 74-88.

Florida, R. (2012). The rise of the creative class – revisited. New York: Basic Books.

Fontenele, S. S. (2014). Transformações na área centro-portuária de Fortaleza. X Encontro Nacional da Anpur. Novas socialibilidades: cultura, diversidade e diversidade na produção do espaço. Recuperado em 27 setembro 2014, de http://unuhospedagem.com.br/revista/rbeur/index.php/anais/article/viewFile/2479/2449.

Fortaleza Nobre. Recuperado em 10 setembro 2014, de http://www.fortalezanobre.com.br/

Ipiranga, A. S. R. (2010). A cultura da cidade e os seus espaços intermediários: os bares e os restaurantes. Revista de Administração Mackenzie, 11(1), 65-91.

Landry, C. (2000). The creative city. Londres: Earthscan Publications .

Leite-da-Silva, A. R. (2007). As práticas sociais e o “fazer estratégia” um estudo dos comerciantes de hortifrutícolas no Mercado da Vila Rubim. Tese de doutorado, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, MG, Brasil.

Lemos, L., & Alcadipani, R. (2015). Por uma epistemologia das práticas organizacionais: a contribuição de Theodore Schatzki. Organizações & Sociedade, 22(72), 79-98.

Mayol, P. (2011) Primeira parte: morar. In M. Certeau, L. Giard, & P. Mayol. A invenção do cotidiano. Petrópolis: Vozes.

Nicolini, D., Gherardi, S., & Yanow, D. (2003). Knowing in organizations: a practice-based approach. New York: M. E. Sharpe.

Oliveira, J. S., & Cavedon, N. R. (2013). Micropolitica das práticas cotidianas: etnografando uma organização circense. Revista de Administração de Empresas, 53(2), 156-168.

Orlikowski, W. J. (2010). Engaging Practice in Research: Phenomenon, Perspective, and Philosophy. In D. Golsorkhi, L. Rouleau, D. Seidl, & Eero Vaara (Eds.). The Cambridge Handbook on Strategy as Practice (pp. 23-33). Cambridge: Cambridge University Press.

Peirano, M. (2006). A teoria vivida e outros ensaios de antropologia. Rio de Janeiro: Zahar.

Rasche, A., & Chia, R. (2007). Strategy practices – what they are (not). In: Proceedings of 23nd European Group of Organization Studies International Colloquium, Bergen, Norway.

Reckwitz, A. (2002). Toward a theory of social practices: a development in culturalist theorizing. European Journal of Social Theory, 2(5), 243-263.

Santos, L. L. S., & Alcadipani, R. (2010). Por uma epistemologia das práticas administrativas: a contribuição de Theodore Schatzki. In Anais do XXXIV Encontro Anual da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Saraiva, L. A. S., & Carrieri, A. P. (2012). Organização-cidade: proposta de avanço conceitual a partir da análise de um caso. Revista de Administração Pública, 46(2), 547-557.

Schatzki, T. R. (2002), The site of the social. A philosophical account of the constitution of social life and change. University Park: The Pennsylvania State University Press.

Schatzki, T. R. (2006). On organizations as they happen. Organization Studies, 27(12), 1863-1873.

Schatzki, T. R., Cetina, K. K., & Savigny, E. V. (2001). The practice turn in contemporary theory. London: Routledge.

Schramm, S. M. O. (2001). Território livre de Iracema: só o nome ficou? Memorias coletivas e a produção do espaço na Praia de Iracema. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, CE, Brasil.

Spink, M. J. (2004). (Org.). Práticas discursivas e produção de sentidos no cotidiano: aproximações teóricas e metodológicas. São Paulo: Cortez.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 Farol - Revista de Estudos Organizacionais e Sociedade

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

Classificação de Periódicos Qualis/CAPES (2013-2016)

 

Administração Pública e de Empresas, Ciências Contábeis e Turismo – B4
Biotecnologia – C
Ciências Ambientais – B4
Comunicação e Informação – B5
Educação – C
Engenharias III – B5
Geografia – B4
Interdisciplinar – B4
Planejamento Urbano e Regional / Demografia – B4
Psicologia – B3
Sociologia – B5


ISSN 2358-6311

 

Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-Não Comercial 4.0 Internacional