APROPRIAÇÕES SIMBÓLICAS E ESPACIAIS EM ORGANIZAÇÕES: O “JEITINHO BRASILEIRO” NO BAR “SOFÁ DA HEBE”

Fabiana Florio Domingues, Eduarda Cricco Miranda Barcelos Gripp, Letícia Dias Fantinel

Resumo


O presente artigo busca desvendar os aspectos simbólicos que permeiam a cultura organizacional de um bar, localizado num espaço de Vitória/ES.  A organização que iniciou suas atividades sem placa de identificação, em uma loja preterida pelo comércio local, adotou como nome o apelido atribuído ao espaço em frente à sua fachada. Este é o "Sofá da Hebe", um espaço frequentado por jovens nas noites capixabas.  Para a consecução do objetivo, desenvolveu-se uma pesquisa de cunho qualitativo e inspiração etnográfica. A obtenção de dados se fez por meio de observações participantes, diário de campo e entrevistas não estruturadas. Os dados foram tratados com o uso da análise de conteúdo. A categoria central que norteou a interpretação dos dados foi o jeitinho. Assim, os resultados mostram que este se faz presente no cotidiano dessa organização em suas variações de favor, quebra galho, navegação social e contravenção.

Palavras-chave


simbolismo; cultura organizacional; etnografia; jeitinho

Texto completo:

PDF

Referências


Barbosa, L. (2006). O jeitinho brasileiro brasileiro: a arte de ser mais igual que os outros. Rio de Janeiro: Elsevier.

Berger, P. L., & Luckmann, T. (1978). A construção social da realidade. Tratado de sociologia do conhecimento. Petrópolis: Vozes.

Caldas, M. (2009). Culturas brasileiras: entendendo perfis culturais no plural e em mutação. In L. Barbosa (Coord.). Cultura e diferença nas organizações. São Paulo: Atlas.

Carrieri, A. P., & Leite-da-Silva, A. R. (2007). Aspectos simbólicos da gestão organizacional. In G. Junquilho, M. Bianco, R. Behr, & S. Souza (Orgs.). Tecnologias de gestão: por uma abordagem multidisciplinar. Vitória: EDUFES.

Cavedon, N. R. (2008). Antropologia para administradores. Porto Alegre: UFRGS.

Chanlat, J.-F. (2011). O desafio social da gestão: a contribuição das ciências sociais. In P. F. Bendassolli, & L. A. Soboll (Orgs.). Clínicas do trabalho: novas perspectivas para a compreensão do trabalho na atualidade. São Paulo: Atlas.

Chanlat, J.-F. (2009). Por uma antropologia da condição humana nas organizações. In J.-F. Chanlat (Coord.). O indivíduo na organização: dimensões esquecidas. v.1. São Paulo: Atlas.

Chiesa, C., & Fantinel, L. (2014). "Quando eu vi, eu tinha feito uma etnografia": notas sobre como não fazer uma “etnografia acidental”. Anais do Encontro De Estudos Organizacionais da Anpad, Gramado, RS, Brasil, VIII.

DaMatta, R. (2000). A casa & a rua: espaço, cidadania, mulher e morte no Brasil. Rio de Janeiro: Rocco.

DaMatta, R. (1986). O que faz o brasil, Brasil? Rio de Janeiro: Rocco.

Chong, M. P. M., Peng, T.-K., Fu, P. P., Richards, M., Muethel, M., Caldas, M. P., & Shang, Y. F. (2015). Relational perspectives on leaders’ influence behavior: the mediation of western leader–member exchange and chinese guanxi. Journal of Cross-Cultural Psychology, 46(1), 71-87.

Dupuis, J. P. (1994). Antropologia, cultura e organização: proposta de um modelo construtivista. In J.-F. Chanlat (Coord.). O indivíduo na organização: dimensões esquecidas. v. 3. São Paulo: Atlas.

Geertz, C. (1989). A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan.

Fantinel, L. D., & Cavedon, N. R. (2010). A cultura organizacional do restaurante Chalé da Praça XV em Porto Alegre: espaços e tempos sendo revelados. Revista de Administração Mackenzie, 11(1), 6-37.

Fantinel, L., Cavedon, N. R., & Fischer, T. (2012). Produção de significações do espaço e sociabilidade em um café artesanal de Salvador. Revista Interdisciplinar de Gestão Social, 1(3), 51-74.

Figueiredo, M. D., & Cavedon, N. R. (2012). O espaço organizacional e o espaço da cidade: as diversas formas de apropriação física e simbólica de um centro comercial em Porto Alegre. Gestão e Sociedade, 6(15), 219-253.

Franco, M. L. P. B. (2008). Análise de conteúdo. Brasília: Plano.

Freitas, A. B. (2009). Traços brasileiros para uma análise organizacional. In F. C. P. Motta, & M. P. Caldas (Org.). Cultura organizacional e cultura brasileira. São Paulo: Atlas, 2009.

Drumond, G. B., & Fantinel, L. D. (2015). A lama e as lamas: significados de um espaço boêmio. Anais do Encontro Anual da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração, Belo Horizonte, MG, Brasil, XXXIX.

Ipiranga, A. S. R. (2010). A cultura da cidade e os seus espaços intermediários: os bares e os restaurantes. Revista de Administração Mackenzie, 11(1), 65-90.

Junquilho, G. S. (2004). Nem "burocrata" nem "novo gerente": o "caboclo" e os desafios do plano diretor de reforma do Estado no Brasil do real. Revista de Administração Pública, 38(1), 137-156.

Leite-da-Silva, A. R., & Fantinel, L. D. (2014). Dilemas e implicações do uso da observação enquanto técnica em detrimento da etnografia. Anais do Encontro Anual da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração, Rio de Janeiro, RJ, Brasil, XXXVIII.

Morgan, G. (2006). Imagens da organização. São Paulo: Atlas.

Motta, F. C. P., & Alcadipani, R. (1999). Jeitinho brasileiro, controle social e competição. Revista de Administração Empresas, 39(1), 6-12.

Motta, F. C. P., & Caldas, M. P. (2009). (Org.). Cultura organizacional e cultura brasileira. São Paulo: Atlas.

Pandolfi, R., Caliman, N. F., Vasconcellos, J. G. M., & Rainha, J. C. (2009). Cultura organizacional e espaços de sociabilidade urbana: o caso da rua da lama, Vitória (ES/BRASIL). Anais do Colóquio Internacional sobre Poder Local, Salvador, BA, Brasil, XI.

Pedroso, J. P. P., Massukado-Nakatani, M. S., & Mussi, F. B. (2009). A relação entre o jeitinho brasileiro Brasileiro e o perfil empreendedor: possíveis interfaces no contexto da atividade empreendedora no Brasil. Revista de Administração Mackenzie, 10(4), 100-130.

Souza, G. H. S., Coelho, J. A. P. M., Lima, N. C., & Queiroz, J. V. (2014). Marketing informal: um modelo de comercialização pautado em jeitinho brasileiro brasileiro, informalidade e empreendedorismo. Revista Brasileira de Marketing, 13(3), 63-77.

Vitória (município). Prefeitura Municipal: Bares e restaurantes. Disponível em: . Acesso em: 15 abr. 2015.

Saraiva, L. A. S., & Carrieri, A. P. (2008). Simbolismo e dinâmica nas organizações. Anais do Encontro de Estudos Organizacionais, Belo Horizonte, MG, Brasil, V.

Saraiva, L. A. S., & Carrieri, A. P. (2012). Organização-cidade: proposta de avanço conceitual a partir da análise de um caso. Revista de Administração Pública, 46(2), 547-576.

Smircich, L. (1983). Concepts of culture and organizational analysis. Administrative Science Quarterly, 28(3), 339-358.

Turner, B. A. (1990). Introduction. In B. A. Turner (Ed.) Organizational symbolism. New York: De Gruyter.

Yanow, D. (2012). Organizational ethnography between toolbox and world-making. Journal of Organizational Ethnography, 1(1), 31-42.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 Farol - Revista de Estudos Organizacionais e Sociedade

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

Classificação de Periódicos Qualis/CAPES (2013-2016)

 

Administração Pública e de Empresas, Ciências Contábeis e Turismo – B4
Biotecnologia – C
Ciências Ambientais – B4
Comunicação e Informação – B5
Educação – C
Engenharias III – B5
Geografia – B4
Interdisciplinar – B4
Planejamento Urbano e Regional / Demografia – B4
Psicologia – B3
Sociologia – B5


ISSN 2358-6311

 

Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-Não Comercial 4.0 Internacional