EDGAR MORIN, CHANLAT E INSTITUCIONALISTAS

Sergio Luis Boeira, Alessandra Knoll, Ivan Luis Tonon

Resumo


O presente ensaio teórico busca contribuir com os estudos organizacionais no sentido de esclarecer as relações entre a obra de Edgar Morin e algumas das perspectivas teóricas já reconhecidas e legitimadas nesse campo de estudos. Algumas obras e conceitos que se destacam por sua relevância. Parte-se do pressuposto de que a perspectiva de Morin pode ser melhor compreendida à medida que se estabelecer um paralelo comparativo da mesma com outras perspectivas, como a de Jean-François Chanlat e a perspectiva institucional. As noções de ambiente são destacadas na comparação entre as perspectivas. As conclusões indicam complementaridade entre as abordagens de Chanlat e Morin, além de uma relação crítica e antagônica entre tais abordagens e perspectivas de institucionalistas, ainda que também haja alguns aspectos de complementaridade.


Palavras-chave


Estudos organizacionais. Complexidade. Teoria institucional. Ambiente

Texto completo:

PDF

Referências


Referências

ALBERONI, F. Gênese. Rio de Janeiro: Rocco, 1991.

ASSIS, A. N. Institutionalizing the concept of sustainability from a tetralogical perspective: the case of Pro-Gauíba. Revista Organizações & Sociedade (O&S), Salvador, v. 18, n. 57, p. 335-353, abril/junho, 2011.

BARBIER, R. Pesquisa-ação na instituição educativa. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 1985.

BARBIERI, J. C.; VASCONCELOS, I. F.; ANDREASSI, T.; VASCONCELOS, F. C. Inovação e sustentabilidade: novos modelos e proposições. Revista de Administração de Empresas, São Paulo, v. 50, n. 2, abr/jun, p. 146-154. 2010.

BERGER, P.; LUCKMANN, T. A construção social da realidade: tratado de sociologia do conhecimento. 23ª ed. Petrópolis: Vozes, 2003.

BERTERO, C. O. O que é um ensaio teórico? Réplica a Francis Kanashiro Meneghetti. Revista de Administração Contemporânea (RAC), Curitiba, v. 15, n. 2, p. 338-344, Mar./Abr, 2011.

CALDAS, M. P.; FACHIN, R. Paradigma funcionalista: desenvolvimento de teorias e institucionalismo nos anos 1980 e 1990. In: CALDAS, M. P.; BERTERO, C. O. (Coords.) Teoria das organizações. São Paulo: Atlas, 2007.

CASTORIADIS, C. L´Institution imaginaire de la societé. Paris: Seuil, 1975.

_______. A instituição imaginária da sociedade. 2ª ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1982.

CHANLAT, J.F. Por uma antropologia da condição humana nas organizações. In: _______. (Org.) O indivíduo na organização: dimensões esquecidas. 3ª Ed. São Paulo: Atlas, 1996.

_______. Ciências sociais e management: reconciliando o econômico e o social. São Paulo: Atlas, 2000.

_______. Análise das organizações: panorama da produção em língua francesa contemporânea (1950-2000). In: CHANLAT, J-F; FACHIN, R.; FISCHER, T. (Orgs.) Análise das organizações: perspectivas latinas. Vol. 1. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2006.

_______. Gestão empresarial: uma perspectiva antropológica. Tradução de Laura Gillon. São Paulo: Cengage Learning, 2010.

DIMAGGIO, P. J. Constructing an organizational field as a profesional Project: U.S. Arte Museums, 1920-1949. In: POWEL, W. W.; DIMAGGIO, P. J. (Orgs.). The new institutionalism in organizational analysis. London: Sage, 1991, p. 267-92.

_______. Interest and agency in institucional theory. In: ZUCKER, L. (Org.) Institucional patters and organizations. Cambridge: Ballinger, 1998, p. 3-22.

DIMAGGIO, P. J.; POWELL, W. W. The iron cage revisited: institutional isomorphism and collective rationality in organizational fields. In: POWELL, W. W.; DIMAGGIO, P. J. (Orgs.) The new institutionalism in organizational analysis. London: Sage, 1991b, p. 63-82 (1ª ed. artigo 1983).

DOMINGUES, I. Epistemologia das ciências humanas. Tomo I : Positivismo e hermenêutica. Durkheim e Weber. São Paulo : Edições Loyola, 2004.

FONSECA, V. S. A abordagem institucional nos estudos organizacionais: bases conceituais e desenvolvimentos contemporâneos. In: VIEIRA, M. M.; CARVALHO, C. A. (Orgs.) Organizações, instituições e poder no Brasil. Rio de Janeiro: FGV, 2003, p. 47-66.

FORTIN, R. Compreender a complexidade. Introdução a O Método de Edgar Morin. Lisboa: Instituto Piaget, 2005.

GIDDENS, A. The constitution of society. Berkeley, CA: University of California Press, 1985.

_______. A política da mudança climática. Rio de Janeiro: Zahar, 2010.

HALL, P.; TAYLOR, R. Três versões do neoinstitucionalismo. Lua Nova, São Paulo, n. 58, 2003, p. 193-223.

KOFMAN, M. Edgar Morin : from Big Brother to fraternity. London : Pluto Press Limited, 1996.

LAPASSADE, G. Grupos, organizações, instituições. Rio de Janeiro : Ed. Francisco Alves, 1997.

LEIS, H. R. A modernidade insustentável : as críticas do ambientalismo à sociedade contemporânea. Petrópolis : Vozes : Florianópolis : Ed. UFSC, 1999.

LOURAU, R. L´Analyse institutionnelle. Paris, Ed. De Minuit, Col. Arguments, 1970.

MACHADO-DA-SILVA, C. ; FONSECA, V. ; CRUBELLATE, J. Estrutura, agência e interpretação: elementos para uma abordagem recursiva do processo de institucionalização. RAC, Curitiba, Edição Especial 2010, art. 4, pp. 77-107.

MACHADO-DA-SILVA, C.GUARIDO FILHO, E. R. ; ROSSONI, L. Campos organizacionais : seis diferentes leituras e a perspectiva da estruturação. Revista de Administração Contemporânea (RAC), Curitiba, Edição Especial), pp. 159-196, 2006.

MANGI, L. C. Neoinstitucionalism and appropriation of Bourdieu`s work: a critical assessment. Revista de Administração de Empresas, São Paulo, n. 3, v. 49, jul/set, p. 323-336. 2009.

MENEGHETTI, F. K. O que é um ensaio teórico? Revista de Administração Contemporânea (RAC), Curitiba, v. 15, n. 2, pp. 320-332, Mar./Abr., 2011.

MISOCKY, M. C. Poder e institucionalismo: uma reflexão crítica sobre as possibilidades de interação paradigmática. In: VIEIRA, M. M.; CARVALHO, C. A. (Orgs.) Organizações, instituições e poder no Brasil. Rio de Janeiro: FGV, 2003, pp. 141-176.

MORIN, E. O paradigma perdido: a natureza humana. 3ª ed. Lisboa: Publicações Europa-América, 1973.

MORIN, E.; KERN, A. B. Terra-pátria. Porto Alegre: Sulina, 1995.

MORIN, E. Sociologia. Edição revista e aumentada pelo autor. Lisboa: Publicações Europa-América, 1998.

_______. O método 5: a humanidade da humanidade. Porto Alegre: Sulina, 2002.

_______. O método 6: ética. Porto Alegre: Sulina, 2005.

_______. Restricted complexity, general complexity. Presented at the Colloquium Intelligence de la complexity: epistemologie et pragmatique, Cerisy-La-Salle, France, June 26th, 2005. Translated from French by Carlos Gershenson.

_______. Introdução ao pensamento complexo. 3ª edição. Porto Alegre: Sulina, 2007.

_______. A via para o futuro da humanidade. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2013.

NORD, W. R.; FOX, S. O indivíduo nos estudos organizacionais: o grande ato de desaparecimento? In: CLEGG, S. R., HARDY, C., NORD,W. R. (Orgs. edição original); CALDAS, M., FACHIN, R., FISCHER, T. (Orgs. edição brasileira). Handbook de estudos organizacionais. Vol. 3. Ação e análise organizacionais. São Paulo: Atlas, 2004.

PARSONS, T. Sociological theory and modern society. New York: Free Press, 1967.

_______. Conceito de sistema social. In: CARDOSO, F. H.; IANNI, O. (Orgs.) Homem e sociedade: leituras básicas de sociología geral. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1973a, p. 47-55.

_______. Os componentes do sistema social. In: CARDOSO, F. H.; IANNI, O. (Orgs.) Homem e sociedade: leituras básicas de sociología geral. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1973b, p. 56-9.

PERROW, C. Complex organizations: a critical essay. 2 ed. Illinois: Scott, Foresman and Company Glenview, 1973.

REED, M. Teoria organizacional: um campo historicamente contestado. In: CALDAS, M.; FACHIN, R.; FISCHER, T. (Orgs.) Handbook de estudos organizacionais: modelos de análises e novas questões em estudos organizacionais. Vol. 1. São Paulo: Atlas, 1999, p. 61-98.

RUIZ, J. L. S. (Coord.) Con Edgar Morin, por un pensamiento complejo. Impliclaciones interdisciplinares. Madrid. Universidad Internacional de Andalucía; Ediciones Akal, S. A, 2005.

SCOTT, W. R. Organization: rational, natural, and open systems. Englewood Cliffs, NJ: Prentice-Hall, 1981.

_______. Institutions and organizations: ideas and interests. Estados Unidos: Sage Publications, 2008.

SÉGUIN, F.; CHANLAT, J-F. L´analyse des organisations. Tome 1, Les théories de l´organisation. Paris: Editeur Gaëtan Morin, 1992.

SELZNICK, P. Institutionalism “old” and “new”. Administrative Science Quaterly, 41 (2): 270-7, 1996.

SOARES, L. C. (Org.) Da revolução científica à big (business) science: ensaios de história da ciência e da tecnologia. São Paulo: Hucitec; Niterói: EdUFF, 2001.

SZTOMPKA, P. A sociologia da mudança social. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1998.

THÉRET, B. As instituições entre as estruturas e as ações. Lua Nova, São Paulo, n. 58, 2003, p. 225-254.

TOLBERT, P. S.; ZUCKER, L. G. A institucionalização da teoria institucional. In: CALDAS, M.; FACHIN, R.; FISCHER. (Orgs.) Handbook de estudos organizacionais: modelos de análises e novas questões em estudos organizacionais. Vol. 1. São Paulo: Atlas, 1998, p. 196-219.

WESTRUM, R.; SAMAHA, K. Complex organizations: growth, struggle, and change. New Jersey: Prentice-Hall, 1984.




DOI: http://dx.doi.org/10.25113/farol.v3i6.2885

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2016 Farol - Revista de Estudos Organizacionais e Sociedade

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

Classificação de Periódicos Qualis/CAPES (2013-2016)

 

Administração Pública e de Empresas, Ciências Contábeis e Turismo – B4
Biotecnologia – C
Ciências Ambientais – B4
Comunicação e Informação – B5
Educação – C
Engenharias III – B5
Geografia – B4
Interdisciplinar – B4
Planejamento Urbano e Regional / Demografia – B4
Psicologia – B3
Sociologia – B5


ISSN 2358-6311

 

Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-Não Comercial 4.0 Internacional