AS GESTÕES E AS SOCIEDADES

Alexandre de Pádua Carrieri

Resumo


O NEOS – Núcleo de Estudos Organizacionais e Sociedade, foi concebido como um núcleo interdisciplinar que concentra suas atividades na investigação de fenômenos organizacionais e sociais, procurando construir interfaces entre as áreas da Teoria Organizacional e o Pensamento Social. A partir de 2014, o grupo passa por uma reformulação e constroi uma linha temática que se denomina “A história da vida organizada e da gestão ordinária”. É importante destacar que, como para Foucault (2000), vemos a vida sob uma forma histórica de múltiplas relações de poder que perpassam caracterizam, constituem o corpo social.


Palavras-chave


Vida organizada; Cotidiano; Gestão ordinária; Relações de poder.

Texto completo:

PDF

Referências


ALBERT, S.; WHETTEN, D. A. Organizational identity. In: CUMMINGS, L. L.; STAW, B. M. (orgs.). Research in organizational behavior. Greenwich: Jay Press, 1985. v. 7. p. 263-295.

ALCADIPANI, R.; ALMEIDA, A. Por fora bela viola, por dentro...: análise crítica sobre a gestão do espaço nas organizações através de um estudo de caso sobre a implementação de um escritório aberto no Brasil. Organizações e Sociedade, Salvador, v. 7, n. 19, p. 35-52, set./dez. 2000.

ALCADIPANI, R.; ROSA, A. R. Pesquisador como o outro: uma leitura pós-colonial do “borat ” brasileiro. Revista de Administração de Empresas, São Paulo, v. 50, n. 4, p. 371-382, out./dez. 2010.

ANGELO, E. R. B. Identidades, festas e espaços dos imigrantes em Petrópolis, RJ, e suas relações com a história do turismo e da cidade. Rosa dos Ventos, Caxias do Sul, v. 6, n. 2, p. 263-279, abr./jun. 2014.

ANTUNIASI, M. H. R. Estratégias familiares na organização do trabalho. Informações Econômicas, São Paulo, v. 22, sup. 1, p.17-22, período 1993.

ASHFORTH, B., MAEL, F., Social identity theory and the organization. Academy of Management Review, Briarcliff Manor, v. 14, n. 1, p. 20-39, jan. 1989.

BAKHTIN, M. (Volochinov). Marxismo e filosofia da linguagem: problemas fundamentais do método sociológico na ciência da linguagem. São Paulo: Hucitec, 1979. 200 p.

BARROS, D. L. P. Dialogismo, polifonia e enunciação. In: BARROS, D. L. P.; FIORIN, J. L. (Org.). Dialogismo, polifonia, intertextualidade. São Paulo: EDUSP, 2003. p. 1-9.

BENJAMIN, W. Passagens. Belo Horizonte/São Paulo: UFMG/Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 2006. 1167 p.

BENJAMIN, W. Pequena história da fotografia. In: BENJAMIN, W. Magia e técnica, arte e política. 7. ed. São Paulo: Brasiliense, 1994. p. 100-113.

BENJAMIN, W. Teses sobre a história. In: BENJAMIN, W. Magia e técnica, arte e política. Obras escolhidas. São Paulo: Brasiliense, 1987. v. 1. p. 222-232.

BOSI, E. O tempo vivo da memória: ensaios de psicologia social. 2. ed. São Paulo: Ateliê Editorial, 2004. 224 p.

BOURDIEU, P. La distinctión. Madri: Taurus, 1988. 600 p.

BUCK-MORSS, S. Aesthetics and anaesthetics: Walter Benjamin's artwork essay reconsidered. October, Cambridge, v. 62, p. 3-41, Autumn, 1992.

BUTLER, J. Fundamentos contingentes: o feminismo e a questão do “pós-modernismo”. Cadernos Pagu, Campinas, n. 11, p. 11-42, 1998.

CAIAFA, J. Jornadas urbanas: exclusão, trabalho e subjetividade nas viagens de ônibus na cidade do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: FGV, 2002. 183 p.

CALDAS, M. P.; WOOD JR., T. Identidade organizacional. Revista de Administração de Empresas, São Paulo, v. 37, n. 1, p. 6-17, jan./mar. 1997.

CARRIERI, A. P. A gestão ordinária. xxx f. 2012. Tese (Professor Titular) – Faculdade de Ciências Econômicas, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2012.

CARRIERI, A. P.; DINIZ, A. P. R.; SOUZA, E. M.; MENEZES, R. S. S. Gender and work: representations of femininities and masculinities in the view of women Brazilian executives. Brazilian Administration Review, Rio de Janeiro, v. 10, n. 3, p. 281-303, July/Sep. 2013.

CARVALHO, C. A. P. Outras formas organizacionais: o estudo de alternativas ao modelo empresarial na realidade brasileira. Recife: CNPq, 2006. (Projeto Procad/CNPq)

CASTORIADIS, C. Sujet et vérité dans le mondo sócio-historique: séminaries 1986-2987. Editinos Seuil: Paris, 2002. 495 p.

CERTEAU, M. A invenção do cotidiano: as artes do fazer. Petrópolis: Vozes, 1994. v. 1. 352 p.

CERTEAU, M. A invenção do cotidiano: morar, cozinhar. Petrópolis: Vozes, 1996. v. 2. 376 p.

CHIA, R.; MACKAY, B. Post-processual challenges for the emerging strategy-as-practice perspective: Discovering strategy in the logic of practice. Human Relations, London, v. 60, n. 1, p. 217-242, jan. 2007.

CIAMPA, A. C. Estória do Severino e a história da Severina. São Paulo: Brasiliense, 2005. xxx p.

DAMIANI, A. L. População e geografia. In: DAMIANI, A. L. Caminhos da geografia. São Paulo: Contexto, 1991. p. 55-72

DOSSE, F. História e ciências sociais. Bauru: Edusc, 2004. 321 p.

DUCROT, O. O dizer e o dito. Campinas: Pontes, 1987. 222 p.

FARIA, J. H. Economia política do poder. Curitiba: Juruá, 2004. v. 1. 201 p.

FIORIN, J. L. Linguagem e ideologia. 7. ed. São Paulo: Ática, 2003. 88 p.

FOUCAULT, M. Em defesa da sociedade: curso no Collège de France (1975-1976). São Paulo: Martins Fontes, 2000. 396 p.

FOUCAULT, M. Estratégia, poder-saber. 2. ed. Rio de janeiro: Forense Universitária, 2006. 464 p.

FOUCAULT, M. História da sexualidade: a vontade de saber. 13. ed. Rio de Janeiro: Graal, 1999. 164 p.

FOUCAULT, M. Microfísica do poder. 10.ed. Rio de Janeiro, RJ: Graal, 1992. 295p.

FOUCAULT, M. Segurança, território, população. São Paulo: Martins Fontes, 2008b. 572 p.

FOUCAULT, M. Vigiar e punir: nascimento da prisão. 29. ed. Petrópolis: Vozes, 2004, 262 p.

FOUCAULT. M. Nascimento da biopolítica. São Paulo: Martins Fontes, 2008a. 469 p.

FRANÇA FILHO, G. C. Para um olhar epistemológico da administração: problematizando seu objeto In: SANTOS, R. S. (Org.) A Administração política como campo do conhecimento. Salvador: Mandacaru/Hucitec/FEAD UFBA, 2009. p. 123-147.

GILL, R. Discourse analysis: practical implementation. In: RICHARDSON, J. T. E. (Ed.). Handbook of qualitative research methods for psychology and the social sciences. Leicester: British Psychological Society, 1996. p. 356-377.

GOLDENBERG, M. De perto ninguém é normal. Rio de Janeiro: Record, 2004. 192 p.

GUERREIRO RAMOS, A. A nova ciência das organizações: uma reconstrução da riqueza das nações. Rio de Janeiro: FGV, 1981. 209 p.

HARDY, C. Researching organizational discourse. International Studies of Management & Organization, Armonk, v. 31, n. 3, p. 25-47, Fall 2001.

HATCH, M. J.; SCHULTZ, M. Relations between organizational culture, identity and image. European Journal of Marketing, Bingley, voluv. 31, n. 5/6, p. 356-365, 1997.

IBARRA-COLADO, E. Organization studies and epistemic coloniality in Latin America: thinking otherness from margins. Organization, London, v. 13, n. 4, p.463-488, July 2006.

JARZABKOWSKI, P.; BALOGUN, J; SEIDL, D. Strategizing: the challenges of the practice perspective. Human Relations, London, v. 60, n. 1, p. 5-27, Jan. 2007.

KNIGHTS, D.; MORGAN, G. Corporate strategy, organizations and subjectivity: a critique. Organization Studies, London, v. 12, n. 2, p. 251-273, 1991.

LEFEBVRE, H. A vida cotidiana no mundo moderno. São Paulo: Ática, 1991a. 216 p.

LEFEBVRE, H. Critique de la vie quotidienne II – fondements d'une sociologie de la quotidienneté. Paris: L'Arche, 1991b. 357 p.

LÉVI-STRAUSS, C. Antropologia estrutural. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1970. 448 p.

LUKÁCS, G. Introdução a uma estética marxista. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1978. 300 p.

MARAVILHAS-LOPES, S. P. A gestão da informação na análise de Foucault sobre as relações poder-saber. Biblios, Brasília, n. 51, p. 70-77, 2013.

MARTINS, J. S. A sociabilidade do homem simples. São Paulo: Hucitec, 2008. xxx p.

MASSAGLI, S. R. Homem da multidão e o flâneur no conto “O homem da multidão” de Edgar Allan Poe. Terra roxa e outras terras – Revista de Estudos Literários, Londrina, v. 12, p.55-65, jun. 2008.

MATOS, O. C. F. Benjaminianas: cultura capitalista e fetichismo contemporâneo. São Paulo: Unesp, 2010. 302 p.

MATTELART, A.; MATTELART, M. História das teorias da comunicação. São Paulo: Loyola, 1997. 224 p.

MINTZBERG, H. Ascensão e queda do planejamento estratégico. Porto Alegre: Bookman, 2004. 360 p.

MURTA, I. B. “A gente é dono e não é”: representações sociais em torno da atividade turística e do processo de patrimonialização em São Bartolomeu. 139 f. 2009. Monografia (Bacharelado em Turismo) – Instituto de Geociências, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2009.

ORTIZ, R. Walter Benjamin e Paris – individualidade e trabalho intelectual. Tempo Social – Revista de Sociologia da USP, São Paulo, v. 12, n. 1, p. 11-28, maio 2000.

PAÇO-CUNHA, E. Duas críticas anti-antinômicas ao debate objetividade-subjetividade nos estudos organizacionais. In: ENCONTRO ANUAL DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EM ADMINISTRAÇÃO, XXXII, 2008, Rio de Janeiro. Anais... Rio de Janeiro: ANPAD, 2008.

PETTIGREW, A. M. The politics of organizational decision making. Travistock: London, 1977. 272 p.

PINEL, H.; COLODETE, P. R. Pesquisa no / do/ com o “cotidiano”: uma proposta fundamentada em Michel de Certeau. Disponível em: http://www.neaad.ufes.br/subsite/psicologia/obs06.htm. Acesso em: 13 abr. 2010.

POTTER, J. Discourse analysis and constructionist approaches: theoretical background. In: In: RICHARDSON, J. T. E. (Ed.). Handbook of qualitative research methods for psychology and the social sciences. Leicester: British Psychological Society, 1996. p. 125-140.

REED, M. Organizational theorizing: a historically contested terrain. In: CLEGG, S. R.; HARDY, C.; NORD W. (Ed.). Handbook of organization studies. London: Sage, 1996. p. 31-56.

SOUZA, C. M. L. Entre o planejamento estratégico formal e informal: um estudo de caso exploratório sobre a prática de estratégia nas organizações. Revista de Administração Contemporânea, Curitiba, v. 15, n. 5, p. 855-876, set./out. 2011.

SOUZA, E. M.; CARRIERI, A. P. A analítica queer e seu rompimento com a concepção binária de gênero. Revista de Administração Mackenzie, São Paulo, v. 11, n. 3, p. 46-70, maio/jun. 2010.

SOUZA, M. M. P. “O teatro como forma de se colocar no mundo”: a formação de identidades nos grupos galpões. 242 f. 2010. Dissertação (Mestrado em Administração) – Faculdade de Ciências Econômicas, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2010.

SOUZA; M. M. P.; CARRIERI, A. P. Identidades, práticas discursivas e os estudos organizacionais: Uma proposta teórico-metodológica. Cadernos EBAPE.BR, Rio de Janeiro, v. 10, n. 1, páginas, mar. 2012.

STAMBONSKY, L. S. O.; OLIVEIRA, I. B. A fala dos passos: a construção de um espaço sagrado judaico na cidade de Natal. Fênix – Revista de História e Estudos Culturais, Uberlândia, v. 7, n. 2, p. 1-13, maio/ago. 2010.

VIZEU, F. Em Algum lugar do passado: contribuições da pesquisa histórica para os estudos organizacionais brasileiros. In: ENCONTRO ANUAL DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EM ADMINISTRAÇÃO, XXXI, 2007, Rio de Janeiro. Anais... Rio de Janeiro: ANPAD, 2007.

VOLBERDA, H. W. Crise em estratégia: fragmentação, integração ou síntese. Revista de Administração de Empresas, São Paulo, v. 44, n. 4, p. 32-43, out./dez. 2004.

WOOD JR, T.; PAULA, A. P. P. Pop-management: contos de paixão, lucro e poder. Organizações & Sociedade, Salvador, v. 9, n. 24, p. 39-51, maio/ago. 2002.




DOI: http://dx.doi.org/10.25113/farol.v1i1.2592

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais



Classificação de Periódicos Qualis/CAPES (2013-2016)

 

Administração Pública e de Empresas, Ciências Contábeis e Turismo – B4
Biotecnologia – C
Ciências Ambientais – B4
Comunicação e Informação – B5
Educação – C
Engenharias III – B5
Geografia – B4
Interdisciplinar – B4
Planejamento Urbano e Regional / Demografia – B4
Psicologia – B3
Sociologia – B5


ISSN 2358-6311

 

Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-Não Comercial 4.0 Internacional