O GRUPO DE ESTUDOS ORGANIZACIONAIS: UMA HISTÓRIA ENTRE OUTRAS HISTÓRIAS

Elisa Yoshie Ichikawa

Resumo


Neste depoimento, procuro contextualizar a atuação do Grupo de Estudos Organizacionais (GEO) da Universidade Estadual de Maringá (UEM) no cenário das pesquisas afetas à área. Para tanto, resgato historicamente as origens do grupo, quais foram os temas em que atuou e quais são as suas áreas de investigação atualmente, bem como suas orientações teóricas. Por ser um grupo pertencente a um programa de pós-graduação ainda pequeno, ele tem um perfil multifacetado, e por isso mesmo, não se caracteriza por ter uma orientação "não funcionalista", embora se norteie por ter preocupações que por vezes possam ser caracterizadas como sendo fora do mainstream da Administração.

Palavras-chave


GEO/UEM; estudos organizacionais; história; grupo de pesquisa

Texto completo:

PDF

Referências


BOM MEIHY, J. C. S. Canto de morte Kaiowá. São Paulo: Loyola, 1991. 304 p.

BOM MEIHY, J. C. S. (Org.). Reintroduzindo história oral no Brasil. São Paulo: Xamã, 1996. 370 p.

BOM MEIHY, J. C. S. Manual de história oral. São Paulo: Loyola, 2002. 291 p.

BOSI, E. Memória e sociedade: lembranças de velhos. São Paulo: Companhia das Letras, 1994. 488 p.

BOURDIEU, P. O poder simbólico. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2009. 322 p.

BOURDIEU, P. A economia das trocas linguísticas. São Paulo: EDUSP, 2008. 192 p.

BRANDÃO, H. N. Enunciação e construção do sentido. In: FIGARO, R. (Org.). Comunicação e análise de discurso. São Paulo: Contexto, 2012. p. 19-43.

CERTEAU, M. A invenção do cotidiano: artes de fazer. Petrópolis: Vozes, 2012. v. 1. 352 p.

FARIA, J. H. Poder real e poder simbólico: o mundo das intrigas e tramas nas organizações. In: CARRIERI, A. P.; SARAIVA, L. A. S. (Org.). Simbolismo organizacional no Brasil. São Paulo: Atlas, 2007. p. 61-86

FEYERABEND, P. Contra o método. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1977. 376 p.

GLASER, B. G.; STRAUSS, A. L. The discovery of grounded theory: strategies for qualitative research. New York: Aldine de Gruyter, 1967. 271 p.

GLASER, B. Basics of grounded theory analysis: emergence vs. forcing. Mill Valley: Sociology Press, 1992. 129 p.

GLASER, B. G. (Ed.). More grounded theory methodology: a reader. Mill Valley: Sociology Press, 1994. 388 p.

HEIDEGGER, M. Ser e tempo (parte I). Petrópolis: Vozes, 1995. 598 p.

HELLER, A. O cotidiano e a história. São Paulo: Paz e Terra, 2000. 124 p.

ICHIKAWA, E. Y.; SANTOS, L. W. Contribuições da história oral à pesquisa organizacional. In: SILVA, A. B.; GODOI, C. K.; MELLO, R. B. (Org.). Pesquisa qualitativa em estudos organizacionais: paradigmas, estratégias e métodos. São Paulo: Saraiva, 2006. p. 185-209.

LEFEBVRE H. A vida cotidiana no mundo moderno. São Paulo: Ática, 1991. 216 p.

MATTOS, P. L. C. L. "Administração é ciência ou arte?" O que podemos aprender com este mal-entendido? Revista de Administração de Empresas, São Paulo, v. 49, n. 3, p. 349-360, jul./set. 2009.

MOLES, A. As ciências do impreciso. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1995. 372 p.

MONTENEGRO, A. T. História oral e memória: a cultura popular revisitada. São Paulo: Contexto, 1994. 160 p.

ORLANDI, E. P. Análise de discurso: princípios e procedimentos. Campinas: Pontes, 1999. 100 p.

PÊCHEUX, M. As condições de produção do discurso. In: GADET, F.; HAK, T. (Org.). Por uma análise automática do discurso – uma introdução à obra de Michel Pêcheux. Campinas: UNICAMP, 1990. p. 77-87.

SANTOS, L. W.; ICHIKAWA, E. Y.; CARGANO, D. F. Ciência, tecnologia e gênero: desvelando o feminino na construção do conhecimento. Londrina: IAPAR, 2006. 302 p.

SANTOS, L. W.; ICHIKAWA, E. Y.; SENDIN, P. V.; CARGANO, D. F. Ciência, tecnologia e sociedade: o desafio da interação. Londrina: IAPAR, 2002. 273 p .

STRAUSS, A.; CORBIN, J. (Ed.). Grounded theory in practice. Thousand Oaks: Sage, 1997. 280 p.




DOI: http://dx.doi.org/10.25113/farol.v1i1.2578

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais



Classificação de Periódicos Qualis/CAPES (2013-2016)

 

Administração Pública e de Empresas, Ciências Contábeis e Turismo – B4
Biotecnologia – C
Ciências Ambientais – B4
Comunicação e Informação – B5
Educação – C
Engenharias III – B5
Geografia – B4
Interdisciplinar – B4
Planejamento Urbano e Regional / Demografia – B4
Psicologia – B3
Sociologia – B5


ISSN 2358-6311

 

Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-Não Comercial 4.0 Internacional